EUA querem descobrir DNA de bin Laden

Da Redação
Em São Paulo

O governo norte-americano está tentando ter acesso ao DNA da família de Osama bin Laden (foto) para comparar com amostras de tecido encontradas em uma área no Afeganistão, onde um avião teleguiado da CIA atingiu um grupo de homens com um míssil.




Os Estados Unidos não estão fazendo o pedido diretamente à família, mas por meio de canais intermediários. Até o momento nenhuma amostra de DNA foi obtida, informou um funcionário do governo. No dia 4 de fevereiro, o avião atingiu um pequeno grupo de homens que possivelmente incluía uma alta autoridade da Al Qaeda, na região de Zawar Kili.

Um dos mortos era relativamente alto e os outros agiam com deferência em relação a ele, disseram autoridades norte-americanas. O fato gerou especulações de que Bin Laden possa ter sido morto. Segundo estimativas, a altura do militante saudita está entre 1,93 e 1,98 metros.

Três pessoas morreram no ataque com o míssil. Testemunhas locais disseram que as vítimas eram civis que estavam catando sucata, mas as autoridades norte-americanas afirmam que os homens vestiam trajes árabes, haviam sido observados por algum tempo antes do ataque e não estavam recolhendo sucata.

Uma equipe militar norte-americana visitou o local depois do ataque e coletou amostras de pele que serão analisadas nos Estados Unidos.

Apesar disso, autoridades norte-americanas dizem acreditar que Bin Laden ainda esteja vivo, na área da fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos