Cheiros orientam paquera dos elefantes

Da Redação
Em São Paulo

Os fabricantes dos famosos perfumes franceses podem aprender muito com os elefantes asiáticos. Os elefantes machos mais velhos produzem um perfume durante a disputa pela fêmea, no auge de um estado de agressão e de atividade sexual. Os mais jovens também expelem um aroma mais agradável avisando que ainda é cedo para serem seus rivais sexuais.

Os cheiros, formados a partir de um coquetel de secreções químicas das glândulas localizadas nas têmporas, garantem uma sociedade mais organizada, segundo cientistas da Universidade de Ciência e Saúde de Oregon nos EUA.

"Descobrimos que os machos jovens e imaturos sinalizam sua ingenuidade na disputa pela fêmea ao produzir odores com cheiro parecidos com o do mel para evitar conflitos com os animais mais velhos, enquanto os mais maduros espalham combinações mal cheirosas para deter as fêmeas mais jovens, facilitando o funcionamento da sociedade masculina", explicou Bets Rasmussen, em um artigo publicado na revista Nature.

A poesia indiana antiga menciona cenas de abelhas recolhendo o açúcar de elefantes jovens em momentos de galanteio. Uma análise feita nessa secreção mostra que ela tem componentes parecidos com os encontrados no mel.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos