Risco de morrer durante sexo é maior com a amante do que com a esposa

Atenção, infiéis de plantão: antes de pular a cerca, façam um exame cardíaco. Segundo Graham Jackson, cardiologista britânico do hospital St. Thomas, de Londres, sexo extraconjugal pode elevar o risco de enfarte.

O sexo é uma atividade física como outra qualquer, e senhores apaixonados às vezes têm dificuldade de acompanhar o ritmo de suas parceiras de ocasião. "Verificamos que 75% dos casos de morte durante o sexo envolveram pessoas que estavam tendo relações sexuais extraconjugais", disse o médico.

Ele acrescentou que o perigo de sofrer insuficiência cardíaca durante uma relação sexual fora do casamento aumentou ainda mais quando havia uma grande diferença de idade entre os parceiros.

De acordo com o cardiologista, embora as frequências cardíacas aumentem consideravelmente durante a atividade sexual, a pesquisa verificou que "os casais com relacionamentos duradouros dificilmente enfrentaram risco de insuficiência cardíaca".

Jackson disse também que medidas da pressão sanguínea e frequência cardíaca durante o ato sexual são comparáveis às atingidas durante uma caminhada rápida de 20 minutos, com um orgasmo causando uma maior tensão no coração semelhante àquela associada à subida de um lance de escadas.

As informações são da Reuters

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos