Preso que tentou mandar seu esperma para a mulher é condenado a mais seis meses de cadeia

Da Redação
Em São Paulo

Por acaso o leitor se recorda da saga sobre o esperma congelado de um famoso criminoso de Nova York, que conseguiu contrabandeá-lo para fora da prisão para engravidar sua mulher? Pois essa história chegou ao fim com a destruição do esperma, disse um promotor norte-americano.

Antonino Parlavecchio era um dos vários prisioneiros da penitenciária de Allenwood, no norte da Pensilvânia, acusado de subornar guardas para contrabandear seu esperma, disse o promotor-assistente Wayne Samuelson.

Parlavecchio, sua mulher, Maria, e Troy Kemmerer, um guarda de Allenwood, foram processados e condenados pela participação no caso em 2002.

Parlavecchio, que cumpre pena por agiotagem e extorsão, foi condenado a uma pena adicional de mais seis meses. Kemmerer foi condenado a 27 meses de prisão.

O destino do esperma contrabandeado continuava indeterminado, porque os Parlavecchios entraram com uma petição para conservá-los para seu propósito original.

Um juiz de um tribunal distrital dos Estados Unidos ordenou a destruição do esperma e uma corte de apelações manteve a decisão em janeiro, disse Samuelson. Agora o criminoso com vontade de ser pai vai ter aguardar mais alguns anos até colocar um filho no mundo...


As informações são da Reuters

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos