Donald Trump decide que Miss Califórnia pode manter o título apesar de fotos "sensuais"

Do UOL Tabloide* Em São Paulo

Depois de ter a honra de acompanhar de perto o concurso de Miss Brasil 2009, o Editor do UOL Tabloide volta ao tema, agora com um concurso gringo. Nos Estados Unidos, a disputa deste ano ganhou vasto espaço na mídia, como é de costume, mas não pela beleza das 50 misses estaduais norte-americanas; a polêmica do Miss Estados Unidos deste ano, caros internautas, está na exposição da Miss Califórnia.

  • Lucas Jackson/Reuters

    Uma vez Miss Califórnia, sempre Miss Califórnia: especialmente se você tem Donald Trump a seu lado (na foto acima, literalmente, como se vê)

A linda Miss Califórnia saiu à vontade demais, para padrões de alguns, em fotos que os sites de fofocas norte-americanos tiveram gosto em divulgar. Ou seja: seminua.

Daí vieram os puristas da lei. De acordo com o regulamento do Miss Estados Unidos, as garotas se comprometem a manter "altos padrões morais e éticos" para o concurso, cláusula que teria sido ofendida pelas fotos da senhorita Carrie Prejean.

Em resposta, a Miss Califórnia alegou que eram fotos feitas aos 17 anos de idade. A imprensa revidou cogitando que poderiam ser imagens de seis meses atrás. E a decisão final chegou hoje, da boca do dono do concurso de beleza, o empresário Donald Trump.

"Nós revisamos as fotos cuidadosamente", afirmou Trump, anunciando que ela não perderá a faixa de Miss Califórnia nem a coroa de prata do Miss EUA. "Estamos no século 21."

"Carrie é uma modelo... Nós decidimos que as imagens são aceitáveis, estão boas, em alguns casos elas são bem bonitinhas, em outros são fotos de modelo mesmo", acrescentou o manda-chuva (Você conhece "O Aprendiz"? Pois é, o senhor Trump é o Roberto Justus dos EUA).

Depois de ser confirmada como a mulher mais bonita da Califórnia, Carrie agradeceu Donald Trump e acrescentou: "mais importante que tudo, gostaria de agradecer a Deus por me testar com sua grande provação e me dar força para me apegar a meus valores".

Justamente esses valores também estiveram presentes na sequência de polêmicas que Trump encerrou hoje. Na disputa pela coroa de Miss EUA, a mesma Carrie declarou ser contrária ao casamento entre pessoas do mesmo sexo. Perez Hilton (não confundir com Paris Hilton...) estava no júri e ficou injuriado; depois desancou, sem muita classe, os comentários da Miss Califórnia em seu blog pessoal.

Depois disso, Carrie acabou se tornando a carinha que representa uma campanha conservadora contra o casamento gay, com direito a apresentações especiais em comunidades religiosas. Trump, o homem que manda, defendeu o direito da senhorita em ter uma opinião.

*Com informações da CNN e MSNBC

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos