Lenda urbana de telefonemas mortais assusta nigerianos

Da Redação

Olhe bem, mas olhe muito bem aos telefonemas que você atende. Por que um deles pode ser o emissário da morte imediata! Uma lenda urbana que se alastrou rapidamente por Lagos, na Nigéria, fez com que usuários de telefones celulares no país adotassem o hábito de checar quem está ligando antes de atender a uma chamada.

De acordo com a nova lenda, quem atender às ligações de determinados "números assassinos" vai morrer imediatamente.

Sola Odunfa, correspondente da BBC em Lagos, diz que especialistas e operadoras de telefones celulares têm tentado tranqüilizar o público pela mídia, dizendo que as ligações não podem provocar mortes.

Uma lista de supostos "números assassinos" está em circulação, mas não há dados oficiais sobre mortes. O correspondente da BBC afirma que a nova lenda apresenta semelhanças com uma outra, que circulou há vários anos, de que um aperto de mão poderia causar o desaparecimento de órgãos sexuais.

A lenda urbana se transformou em tragédia quando grupos de pessoas atacaram os acusados de fazer órgãos desaparecer.

Toda lenda urbana tem muito de nonsense, mas sempre há aquele detalhezinho que provoca medo tanto em quem conta como em quem ouve. É aí que o Editor Interino do UOL Tablóide pergunta: Quem agora não lembrará dessa história quando atender o celular? E quantos não vão dar aquela engolida em seco quando o número for um "não-identificado"?

Se você bate na madeira três vezes, não passa debaixo de escada, não cruza o caminho de um gato preto e trocou todos os espelhos da casa por acrílico, então aproveite os campos de trevos de quatro folhas que o Editor do UOL Tablóide dá a você, supersticioso internauta: blog ou fotoblog.

Fonte: BBC

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos