Polícia tailandesa recorre a DNA para descobrir dono de bilhete premiado

Da AFP

  • Getty Images

A Polícia tailandesa recorreu à checagem de impressões digitais e de DNA para solucionar o caso midiático de um bilhete de loteria premiado, reivindicado por duas pessoas.

Tudo começou com a denúncia apresentada por Preesha Kraikruan, um professor de 50 anos que diz ter perdido seu bilhete de loteria premiado. Mas os 30 milhões de bahts (R$ 3 milhões) já tinham sido entregues a Sharoon Wimonpar, um policial aposentado de 62 anos.

"Esperamos os resultados dos testes de DNA que permitirão verificar se a denúncia é admissível", explicou à AFP Krissana Sapdet, da Polícia de Kanshanaburi, uma região do oeste da Tailândia onde o bilhete foi vendido.

Segundo veículos locais, o policial aposentado diz ter comprado o bilhete, mas não se lembra onde.

A loteria, administrada pelo governo, é uma verdadeira instituição na Tailândia. É uma das únicas formas possíveis de jogo de azar neste país do sudeste asiático, onde cassinos e apostas são proibidos.

Há dois sorteios por mês e neste país, muito supersticioso, os números da sorte e aqueles relacionados com o falecido rei são muito cobiçados.
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos