Topo

Tecnologia


10 lugares que você só consegue visitar pelo Google Earth

Reprodução
Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

05/08/2017 04h00

Quem nunca passou horas vendo as imagens de satélite disponíveis no Google Earth. A ferramenta é um aliado poderoso daqueles que querem saber, por exemplo, como é uma cidade ou um ponto turístico em qualquer canto do mundo sem precisar sair de casa.

E, mais do que isso, o aplicativo também permite que o usuário "esteja" em locais que não poderiam ser acessados na vida real, o que fica ainda mais bacana em alguns casos que têm o recurso Street View habilitado. Abaixo listamos dez deles. Confira!

  • Reprodução

    Usina nuclear de Chernobil (Ucrânia)

    A usina nuclear de Chernobil, na Ucrânia, começou a ser construída em 1972 e entrou em operação em 1977. Era tida como a mais segura da antiga União Soviética, mas nós sabemos que isso não correspondeu à realidade: uma falha em 1986 fez o reator 4 do local derreter e, como consequência, a cidade de Chernobil e de Pripyat, que abrigava os trabalhadores do local, tiveram que ser evacuadas às pressas.

    O nível de radiação do local caiu muito nesse 31 anos e, em 2016, era de metade do registrado na época do acidente. Esse é o caso de um lugar que até é acessível - há passeios turísticos organizados até lá -, mas é improvável que você queira estar nele pessoalmente.

  • Reprodução

    Usina nuclear de Fukushima (Japão)

    Seguindo a série de desastres nucleares, temos a usina de Fukushima, no Japão. Atingida por um tsunami e um terremoto em 2011, ela perdeu sua capacidade de refrigeração, o que causou derretimento de núcleos do complexo e explosões. A zona de exclusão, que chegou a cobrir um raio de 20 km da usina costeira, possui áreas que não podem ser acessadas devido ao risco de radioatividade. O entorno da usina é um desses locais, mas é possível ter uma vista aérea do local com a ferramenta do Google.

  • Reprodução

    Area 51 (EUA)

    A mitológica Area 51, uma base militar norte-americana no deserto de Nevada, sempre mexeu com a imaginação das pessoas devido à sua suposta associação com naves alienígenas e pesquisas extremamente secretas. Por se tratar de uma base militar, o acesso é restrito ao público, mas pelo Google Earth é possível ver as instalações do local pelo alto e também o Groom Lake, um lago de sal usado pelos militares como pista de decolagem e pouso.

  • Reprodução

    Ilha da Queimada Grande (Brasil)

    Outro local proibido para acesso de pessoas "comuns" - e que certamente você não vai querer estar - é a Ilha da Queimada grande, localizada a 35 km do litoral de São Paulo. A razão para isso é simples: o local é infestado por milhares de cobras da espécie jararaca-ilhoa, cuja picada pode levar um humano à morte em cerca de duas horas. Apenas pesquisadores estão autorizados a ir até o local.

  • Reprodução

    Fort Knox (EUA)

    A pequena cidade do Kentucky abriga uma base do exército norte-americano, mas é mais conhecida pelo United States Bullion Depository, um depósito extremamente vigiado que abriga boa parte das reservas de ouro dos Estados Unidos, além de relíquias de altíssimo valor como a Constituição do país. O acesso, como é de se imaginar, é bastante restrito.

  • Reprodução

    Svalbard Seed Vault (Noruega)

    Localizado no arquipélago de Svalbard, próximo ao Pólo Norte, está o Svalbard Seed Vault. Trata-se do maior banco de sementes do mundo, cujo intuito é preservar 90% das sementes conhecidas no mundo. A ideia é que caso saia, digamos, errado, o local seja um repositório para ajudar a recuperar a flora do planeta. Por sua importância estratégica, o acesso é bastante restrito.

  • Reprodução

    Niihau (Havaí)

    Niihau é a ilha mais a oeste do arquipélago do Havaí e sétima em tamanho em comparação às suas vizinhas. Ao contrário das ilhas principais, porém, o acesso é restrito e turistas frequentemente têm sua visitação limitada às praias, sobrevoos de helicóptero ou expedições de caça em locais delimitados, mas não podem ter contato com seus habitantes - a população local é estimada entre 35 e 50 pessoas, apenas. A razão para isso é a determinação em preservar a cultura e a fauna local.

  • Reprodução

    Ilha Sentinela do Norte (Índia)

    Esse é um dos locais mais isolados do mundo, mas não por sua localização geográfica - a Ilha da Sentinela do Norte faz parte da Índia e fica na porção leste da Baía de Bengala, a pouco mais de 1.000 km da costa indiana. O "problema" aqui são os habitantes, que se recusam a ter qualquer contato com pessoas de fora da ilha, chegando a ser violentos com estrangeiros. Exemplos disso ocorreram em 2004, quando um helicóptero do governo indiano foi até o local checar se estava tudo bem após o devastador tsunami daquele ano e acabou sendo atacado com flechas e pedras e, depois, em 2006, quando dois pescadores que se aproximaram da ilha por acidente acabaram mortos pelos locais.

  • Reprodução

    Cavernas de Lascaux (França)

    Ainda que não seja possível entrar no complexo de cavernas de Lascaux, na França, é possível observar o terreno ao redor usando a ferramenta do Google. O local, que abriga diversas estruturas com pinturas rupestres com idade estimada de 17 mil anos, era aberto ao público até 2008, quando um fungo começou a destruir as pinturas. Hoje, poucos pesquisadores têm acesso ao local e o problema, aparentemente, está sob controle.

  • Reprodução

    Ilha Poveglia (Itália)

    Essa charmosa ilha em Veneza, na Itália, na verdade, tem uma história bem macabra. No século XVIII, ela foi transformada em ponto de triagem para navios e, alguns anos depois, em 1793, dois navios atracaram no local contendo diversos passageiros infectados com peste bubônica. Por isso, a ilha acabou sendo transformada em um centro de tratamento para a doença. Posteriormente, no século passado, a ilha acabou virando um manicômio. Essas ocorrências criaram a lenda de que o local é assombrado. O local foi abandonado em 1968 e fechado para o público. O governo italiano tentou vender o local em 2014, sem sucesso.

Mais Tecnologia