Topo

Tecnologia


Todos querem ser Snapchat: Facebook e WhatsApp testam recurso cópia do app

Arte UOL
Imagem: Arte UOL

Do UOL, em São Paulo

2017-02-15T10:56:57

15/02/2017 10h56

Se você acompanha as notícias de tecnologia, sabe que o Facebook tem um rival declarado, e ele se chama Snapchat.

Em 2013, Mark Zuckerberg ofereceu US$ 3 bilhões para adquirir o app do fantasminha, mas seus donos recusaram a oferta. Isso deve ter mexido com o todo poderoso do Facebook, pois, como você verá abaixo, a empresa --que também é dona do Instagram e do WhatsApp-- frequentemente anuncia recursos novos copiados do concorrente.

Depois de incorporar a função "Stories" ao Instagram, com a mesma "pegada" de vídeos efêmeros, lançou de forma limitada na Irlanda o Facebook Stories, mini-Snapchat dentro da interface do aplicativo do Facebook.

Reprodução
Recurso Status do WhatsApp, em testes no iOS e Android Imagem: Reprodução

Reprodução/Tech2
Primeiras exibições do WhatsApp Status, em fase de testes Imagem: Reprodução/Tech2

Agora a versão beta do WhatsApp para Android e iOS surge com a função "Status", onde você poderá compartilhar com seus contatos fotos e vídeos que desaparecem depois de 24 horas. As postagens mostrarão, como no Snapchat e no Stories do Instagram, quantas pessoas viram o conteúdo.

As novidades ainda não estão disponíveis para a maioria dos usuários, nem formam divulgadas oficialmente pela empresa.

Lançado em setembro de 2011, o Snapchat se tornou uma sensação por conta de seu formato inovador de troca de mensagens: com ele é possível enviar fotos e vídeos de forma rápida e com vida curta -- as mensagens se autodestroem em 24 horas ou após sua visualização.

Outras empresas como o Twitter, Tinder e Microsoft também promoveram seus contra-ataques estratégicos ao "Snap", embora sem o mesmo poder de fogo do Facebook.

Veja um breve histórico da "guerra dos apps"

  • Divulgação

    1° round: Facebook lança o Poke

    Em 2012, surgiu o app Poke para iOS. O primeiro concorrente do Snapchat criado pelo Facebook permitia o envio de mensagens (texto, áudio, vídeo ou imagens) que se autodestruíam em alguns segundos. Mas o aplicativo não foi muito longe. Leia mais

  • Divulgação

    2° round: Instagram troca conteúdo privado

    Em 2013, o Instagram --já sob o guarda-chuva do Facebook-- anunciou o Instagram Direct, que permite a troca de conteúdo privado (fotos e vídeos) entre pessoas que se seguem. O usuário pode escolher até 15 pessoas que receberão a imagem. O recurso existe até hoje. Leia mais

  • Reprodução

    3° round: Facebook lança Slingshot

    O Slingshot enviava imagens que se autodestruíam em segundos, além de permitir desenhos e anotações nas fotos enviadas. Os amigos só poderiam ver a imagem enviada depois que mandarem outra de volta. O Slingshot "morreu" em 2015. Leia mais

  • Divulgação

    4° round: Tinder autodestrói fotos

    O app de paquera introduziu o recurso "Momentos". Cada vez que se desse o match, seria possível enviar imagens a serem automaticamente deletadas do celular de quem as recebeu. A exclusão ocorria após 24 horas. O recurso não agradou e sumiu do app em 2015.

  • Reprodução

    5° round: Instagram cria app de mensagens rápidas

    O Bolt (para iOS) permitia o envio de mensagens cuja visualização durava alguns segundos. Caso o conteúdo não fosse apagado, o aplicativo deletava os arquivos após 30 dias. O que aconteceu? Ele sumiu quase tão rápido quanto o outro Bolt, o corredor jamaicano. Leia mais

  • Reprodução

    6° round: Microsoft lança seu próprio Snapchat

    O Skype Qik era um app de mensagens em vídeo que se autodestruíam após duas semanas. Os vídeos podiam ter até 42 segundos e ser enviados a qualquer contato do telefone. Não era possível rever a mensagem gravada, mas ela podia ser deletada por quem a enviou, mesmo após o envio. O app sumiu em 2016. Leia mais

  • Reprodução

    7° round: Facebook compra melhor rival do Snap até agora

    A empresa de Mark Zuckerberg comprou a Masquerade, empresa por trás do app MSQRD. Com ele, você pode colocar o rosto de um amigo na cabeça de outro, colocar máscaras interativas ou trocar o rosto pelo de alguma celebridade. Leia mais

  • Divulgação

    8° round: Twitter entra na briga com stickers

    O Twitter deve ter visto as tentativas frustradas dos rivais em copiar os "snaps" e foi por outro viés. Lançou a adição de stickers (adesivos) às fotos. A diferença é que eles são pesquisáveis, ou seja, funcionam como uma hashtag e podem ser usador por todos os usuários. Leia mais

  • Divulgação

    9° round: Instagram ganha Stories

    O Instagram anunciou em 2016 o Stories, praticamente idêntico ao recurso "Minha História" do Snapchat. Nele, usuários gravam e retocam fotos e vídeos que ficam disponíveis por apenas 24 horas no perfil. Os usuários vêm uma barra horizontal com os amigos que têm alguma novidade em suas Stories. Leia mais

  • Divulgação

    10° round: Facebook testa filtros

    Na mesma semana em que lançou o Instagram Stories, o Facebook deu outro golpe no Snapchat com os recursos de filtros e máscaras para selfies feitas pelo aplicativo. A funcionalidade surgiu primeiro para usuários do app para iOS no Brasil e Canadá, mas foi descontinuada. Leia mais

  • Reprodução

    11° round: Snapchat revida e copia o "Insta"

    Depois de tantas copiadas, foi a vez do Snapchat de revidar: inseriu nos snaps a opção para que o usuário veja um replay do vídeo assistido, assim como acontece no Instagram Stories, tocando no lado esquerdo da tela. Leia mais

  • Divulgação

    12° round: Facebook lança mais um app clone

    Surge o app Flash, que permite que as pessoas compartilhem fotos e vídeos com amigos, usando filtros, máscaras, molduras e ferramentas de desenho. De novo, mais uma "cópia" do Snap. Não houve nem a preocupação em "maquiar" essa cópia do Snapchat, pois até os botões do novo app são iguais ao do concorrente. Leia mais

  • Reprodução

    13° round: Collections, o Discover do Facebook

    Em dezembro de 2016, o Facebook confirmou o Collections, que traz notícias, listas, artigos, vídeos e outros conteúdos de empresas de mídia dispostos em uma forma muito parecida com o Discover, uma parceria do Snapchat com produtores de conteúdo que oferece os principais destaques do dia. Ainda não foi definida a data de lançamento. Leia mais

  • Reprodução

    14° round: Câmera com filtros

    O Facebook também anunciou a Messenger Camera, uma atualização para a câmera do seu app de conversas, o Messenger. Com ele, usuários tiram fotos e as decoram com filtros, textos, desenhos, stickers e máscaras 3D, de maneira muito semelhante ao Snapchat. Além disso, é possível aplicar filtros ao rosto durante uma ligações em vídeo. O recurso está aparecendo aos poucos --por ora, só vimos no app para iPhones e em alguns aparelhos Android. Leia mais

  • Reprodução

    15° round: O Stories invade o próprio Facebook

    O Facebook Stories, mais um clone do Snapchat, surgiu em fase de testes em janeiro de 2017 no aplicativo. Basta abrir o app e vários rostos de contatos na rede social vão aparecer na parte superior da tela. Quando um amigo publicar alguma atualização nova, sua foto será circulada. As publicações desaparecem após 24 horas, e o usuário tem a opção de usar vários filtros e efeitos em suas imagens. Leia mais

  • Reprodução

    16° round: E o Stories vai pro WhatsApp

    O perfil de Twitter @WABetaInfo anunciou que uma versão de testes do WhatsApp terá a ferramenta "Status", que coloca o formato do Snapchat --usado também no Instagram Stories-- em uma aba nova no popular app de mensagens. Isso foi visto na versão para iOS de número 2.17.4 e deverá servir para compartilhar com seus contatos fotos e vídeos que desaparecem depois de 24 horas, como de praxe. Leia mais

Mais Tecnologia