Topo

Tecnologia


Atualização dos mapas do Google mostra Brasil com mais detalhes

Google/Landsat
Mais nitidez nas imagens permite observar diferenças no crescimento dos bairros planejados e não planejados de Brasília Imagem: Google/Landsat

2016-07-01T08:32:04

2016-07-13T19:43:21

01/07/2016 08h32Atualizada em 13/07/2016 19h43

O mapa de imagens de satélite do Google agora permite ver a Terra de cima como uma única foto contínua que envolve o planeta inteiro.

No entanto, o novo mapa disponível nas ferramentas gratuitas Google Maps e Google Earth é, na verdade, um mosaico formado por cerca de um petabyte (múltiplo da unidade de informação byte) de imagens de satélite.

São mais de 700 bilhões de píxeis individuais, tirados, em sua maioria, das imagens feitas pelo satélite da NASA Landsat 8, lançado ao espaço em 2013.

"Para colocar isso em perspectiva, 700 bilhões de pixels são sete mil vezes mais pixels que o número estimado de estrelas na Via Láctea ou 70 vezes mais pixels do que o número estimado de galáxias no universo", informou o Google Maps em seu blog oficial, ao anunciar a renovação do mapa.

BBC
Imagem: BBC

Para criar esse novo mosaico foram necessários 6 milhões de horas de processamento dos dados, explicou Elizabeth Davidoff, chefa de comunicação do Google Maps, à BBC Mundo, serviço em espanhol da BBC.

O trabalho foi distribuído entre 43 mil computadores, o que levou uma semana.

Se tivesse trabalhado com apenas um computador, o Google teria de começar a trabalhar no século 13 para conseguir lançar a novidade esta semana, disse Davidoff.

O resultado destes números incríveis é um atlas formado por imagens de maior precisão e nitidez, cores mais reais e, além de tudo, sem nuvens.

Segredo no satélite

A versão anterior dos mapas do Google usavam imagens tiradas pelo satélite anterior ao Landsat 8.

Em sua época, o Landsat 7 tinha as melhores imagens do espaço, afirmou o Google Maps em seu blog.

No entanto, um erro de hardware fez com que as fotos tiradas depois de 2003 tivessem falhas, como linhas diagonais, um erro que a empresa não teve capacidade de corrigir.

Google/Landsat
Erro no satélite Landsat 7 fez com que imagens do Google Earth ficassem falhas, com linhas diagonais. Na foto, o Rio São Francisco Imagem: Google/Landsat

Google/Landsat
Nova técnica, que consumiu 6 milhões de horas de processamento de dados, corrigiu falhas. Na foto, o Rio São Francisco Imagem: Google/Landsat

Agora, cada vez que o Landsat 8 completa uma viagem ao redor da Terra, a cada 16 dias, consegue captar o dobro de imagens que o Landsat 7 e em melhor qualidade.

As milhões de fotos que o Google usou para seu atlas estão disponíveis para o público.

América Latina antes e depois

"O novo mosaico inclui imagens mais claras e nítidas de todo o mundo", disse Davidoff.

Na América Latina especialmente, afirmou, é possível ver a cordilheira dos Andes e seus arredores "com detalhes a mais em sua textura", da mesma forma que cidades como Brasília, Caracas e Buenos Aires.

Veja alguns dos "antes e depois" das imagens de satélite do Brasil disponíveis no Google Maps e no Google Earth.

Mais Tecnologia