Topo

Tecnologia

Redes sociais


Revelada identidade de russo misterioso que há anos 'trola' governo de Vladimir Putin

BBC
O perfil StalinGulag, de Alexander Gorbunov, vive um jogo de 'gato e rato' com o governo russo Imagem: BBC

Svetlana Reiter e Andrei Soshnikov - BBC News Russia

2019-05-06T08:51:43

06/05/2019 08h51

Depois de anos de especulação, corretor financeiro com doença degenerativa vem a público confirmar que está por trás de perfil StalinGulag, que atrai milhares de seguidores nas redes sociais com postagens espirituosas e críticas.

Depois de anos de especulação, o responsável por "trolar" o Kremlin nas redes sociais veio a público e revelou sua identidade.

Alexander Gorbunov, que usa o perfil StalinGulag, atraiu 300 mil seguidores no Telegram e mais de 1 milhão no Twitter com suas postagens espirituosas e amargas, que ridicularizam a situação atual na Rússia.

Agora, Gorbunov decidiu revelar sua identidade publicamente, para, segundo disse à BBC News Rússia, prevenir represálias contra a sua família.

No início dessa semana, a polícia visitou o apartamento da mãe dele.

Em 2017, Alexei Navalny, líder da oposição na Rússia e crítico ferrenho do presidente Vladimir Putin, chamou StalinGulag de "o mais importante colunista na Rússia".

Nas postagens, StalinGulag sempre destaca aspectos absurdos e injustiças da vida cotidiana. Aborda também temas políticos e econômicos.

Entre seus alvos mais recentes, estavam a visita do líder norte-coreano, Kim Jong-un, à Rússia, os planos do governo russo de instalar tecnologia 5G, as eleições presidenciais ucranianas e as propostas da Rússia de proibir importações de presunto e queijo parmesão espanhóis.

No mês passado, escreveu sobre uma família em Novosibirsk, na Sibéria, que viu o filho adotivo ser barrado na escola por ser HIV positivo. Postou também sobre um paciente idoso em Irkutsk que se matou no hospital depois de esperar horas por um exame de sangue.

"É impossível ficar em silêncio quando coisas loucas estão acontecendo [na Rússia]", disse Gorbunov à BBC.

O homem por trás do perfil StalinGulag é dono de uma história extraordinária, que começou muito antes dele se tornar um dos maiores críticos ao Kremlin nas redes sociais.

Nascido em Makhachkala, na costa do mar Cáspio, em 1992, ele foi diagnosticado com atrofia muscular espinhal, uma doença degenrativa sem cura que o colocou numa cadeira de rodas.

Aos 13 anos, ele começou o primeiro negócio. Vendia suplementos alimentares online. Em seguida, se tornou um corretor financeiro de sucesso, especializado em derivativos (contratos de pagamentos futuros) e em criptomoedas.

Atualmente, ele vive em Moscou com a esposa, aproveitando o que ele mesmo descreve como vida boa com saídas regulares a restaurantes e a teatros.

Ele faz questão de ressaltar que alguém com necessidades especiais como as dele precisa ser capaz de ganhar dinheiro para pagar por toda a estrutura necessária para ter uma vida normal.

'Só quero escrever'

Para alguém cujos tuítes curtos frequentemente contém palavrões e gírias, Gorbunov se revela, na vida real, como uma pessoa articulada, educada e contemplativa.

Ele chegou ao escritório da BBC bem vestido, usando uma camisa polo preta e um casaco tweed. Ele tem fala macia e expressa uma confiança serena, de quem está acostumado a ser ouvido.

Está claro que Gorbunov é um homem que quer aproveitar ao máximo o tempo que lhe resta.

Ele sabe que seus medicamentos não conterão o avanço da doença, e é por isso que se recusa a tomar remédios que poderiam prolongar a vida dele.

"Um ano a mais, um ano a menos, não faz diferença para mim", diz Gorbunov. "Não quero passar o resto da minha vida num hospital".

Gorbunove criou, de forma anônima, o perfil StalinGulag no Twitter em 2013.

Naquela época, ele ainda vivia em Makhachkala e passava a maior parte do tempo em casa porque, segundo ele, não era uma cidade fácil para se locomover usando uma cadeira de rodas.

"Eu só queria escrever", diz. "Meu computador e a internet me permitiam acompanhar o que estava acontecendo no resto do mundo... E sempre tive interesse em política".

Uma pitada dos tuítes de StalinGulag:

- A limusine de Kim Jung-um chegou a Vladivostok. Veio de Pyongyang num avião (Ilyushin) Il-76 de carga. Para permitir que o ditador norte-coreano pudesse viajar em sua na limusine, foi derrubado um muro na estação ferroviária de Vladivostok. A vida cotidiana numa superpotência.

- A ministra da Saúde, Veronika Skvortsova, diz que os russos vão parar de beber quando encontrarem trabalhos e hobbies interessantes. Em outras palavras: eles nunca vão parar de beber.

- A associação nacional de carne propõe proibir indivíduos de importar carne e produtos lácteos para uso pessoal. Em breve um quilo de queijo te dará a mesma sentença de prisão que um saco de heroína.

- "Cerca de 40% dos russos não tem nenhuma poupança" - seria bom inventar mais um imposto, pelo visto ainda há gente com economias.

- Houve um golpe militar no Sudão. Oba! Um motivo para gastar bilhões de dólares do orçamento da Rússia.

O que significa StalinGulag?

Gorbunov escolheu o nome de seu perfil como "forma de trolagem" e para criticar o que chama de falsos paralelos entre a era de (Josef) Stálin e a Rússia de hoje.

"As pessoas no poder querem que pensemos que elas são assustadoras e aterrorizantes como a polícia secreta [da era Stálin]", diz ele. "Mas não é assim. No fundo, eles são apenas pessoas que gostam de luxo e dinheiro."

Em 2016, ele tinha mais de 400 mil seguidores e decidiu criar um canal no Telegram, o aplicativo de mensagens.

O Telegram foi criado em 2013 pelo empreendedor russo Pavel Durov, fundador da VKontakte, uma versão russa do Facebook, que atualmente vive no autoexílio fora da Rússia.

O Telegram permite que usuários montem grupos e canais, de forma anônima, para mandar notícias e conteúdo diretamente para um número ilimitado de seguidores.

Os canais do Telegram são extremamente populares em países como a Rússia e o Irã, onde a liberdade de expressão é restrita. São usados por políticos, ativistas, e grupos sociais para divulgar informações e também por empresas que buscam novos consumidores.

"Os canais do Telegram são o único espaço político não-moderado na Rússia", diz o cientista político Andrei Kolyadin.

Foi por causa da popularidade e independência do Telegram que o governo russo tentou, sem sucesso, bloquear o aplicativo no ano passado.

Mas essas tentativas continuam e acredita-se que o desejo de controlar o Telegram esteja por trás da criação de uma nova legislação para regular a internet na Rússia, que entrará em vigor nos próximos meses.

Como caiu o anonimato do StalinGulag

Em 2017, StalinGulag era um dos mais populares canais do Telegram na Rússia. O humor negro do perfil parecia capturar o espírito dos tempos atuais.

Segundo o especialista em Telegram Fyodor Skuratov, há uma grande demanda, na Rússia de hoje, por postagens dizendo que tudo está dando errado.

Por anos, a verdadeira identidade do responsável pelas postagens do StalinGulag foi cuidadosamente mantida sob sigilo.

Quando o RBC, um dos maiores grupos de mídia da Rússia, publicou uma história ligando o nome de Alexander Gorbunov ao canal do Telegram, StalinGulag reagiu negando com veemência.

Mas tudo mudou essa semana, com a notícia de que a polícia foi à casa da mãe de Gorbunov, na cidade natal dele.

A polícia disse a ela que alguém tinha usado o celular de Gorbunov para fazer uma ameaça falsa de bomba.

A BBC entrou em contato com a polícia em Makhachkala para confirmar a história, mas ninguém quis comentar o assunto.

Outros parentes de Gorbunov também foram procurados pela polícia.

Essas histórias provocaram uma grande tempestade nas redes sociais na Rússia, com muita gente saindo em defesa do StalinGulag.

Diante de tamanho rebuliço, Gorbunov se convenceu a falar, na esperança de que, ao assumir ser o responsável pelo StalinGulag, as autoridades se veriam obrigadas a deixar seus parentes em paz.

"Seria horrível se algum deles sofresse", disse à BBC. "Não apenas nas mãos das autoridades, mas também de fanáticos [pró-governo]".

Quando o nome dele foi publicado na imprensa russa no ano passado, Gorbunov disse que alguns de seus parceiros comerciais desistiram de planos de montar um fundo de investimento com ele.

A nova legislação aprovada em março proíbe indivíduos de espalharem "fake news" e informações que insultem autoridades oficiais.

Pode ser que isso dificulte a vida de personalidades eloquentes das mídias sociais como StalinGulag.

Até agora, a polícia não entrou em contato direto com Gorbunov.

"Eu não tenho medo do que possa acontecer comigo", diz ele. "Eles não podem tomar medidas que me restrinjam, porque vivi com restrições a vida inteira".

"Nada mudou", acrescenta. "Vou seguir escrevendo como sempre fiz."