Topo

Hotéis hackeados: China é suspeita de estar por trás do caso Marriott

JW Marriott, no Rio de Janeiro: rede de hotéis foi hackeada recentemente - Divulgação
JW Marriott, no Rio de Janeiro: rede de hotéis foi hackeada recentemente Imagem: Divulgação

Da EFE, em Washington

12/12/2018 14h14

A inteligência dos Estados Unidos suspeita que a China esteja por trás do roubo de dados de aproximadamente 500 milhões de hóspedes da rede hoteleira Marriott informado recentemente, de acordo com o jornal "The New York Times".

No final do mês passado, Marriott reconheceu um "acesso não autorizado" ao banco de dados de Starwood, uma das suas filiais, que inclui números de passaporte e de contas bancárias, datas e locais de de nascimento dos clientes e suas informações dados de contato, entre outros.

De olho nas falhas do Face

Hacker belga procura problemas de segurança nas redes sociais

Leia a entrevista

Washington suspeita que os "hackers" que acessaram os bancos de dados do Marriott trabalham para o Ministério de Segurança do Estado da China, encarregada da inteligência e espionagem do país asiático, segundo fontes do jornal.

Esta descoberta ocorre no momento em que o governo de Donald Trump prepara medidas contra as políticas comerciais, econômicas e cibernéticas da China, que incluirão sanções contra "hackers", segundo o jornal nova-iorquino.

Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, iniciaram há duas semanas uma trégua comercial de 90 dias, mas os Estados Unidos temem, segundo o "NYT", que Pequim não modifique sua estratégia econômica, comercial e tecnológica concluído neste período.

Mais Segurança