PUBLICIDADE
Topo

Huawei processa EUA por proibir venda de produtos

Huawei, que vem sendo boicotada pelos EUA, contra-ataca e entra na Justiça - Aly Song/Reuters
Huawei, que vem sendo boicotada pelos EUA, contra-ataca e entra na Justiça Imagem: Aly Song/Reuters

07/03/2019 09h22

A fabricante chinês de equipamentos de telecomunicações Huawei anunciou nesta quinta-feira (7) ter entrado com um processo contra o governo dos Estados Unidos por ter proibido seus produtos no mercado americano. A Casa Branca acusa a empresa de espionar para a China.

"Esta proibição não é apenas ilegal, mas também restringe a Huawei para participar de concorrência leal e, em última instância, prejudica os consumidores americanos", afirmou Guo Ping, o presidente rotativo do conselho da Huawei.

Ele afirmou ainda que os servidores da companhia já foram "hackeados", e emails de executivos foram "roubados" por autoridades dos EUA.

Em entrevista coletiva realizada na cidade de Shenzhen, sede da companhia, Guo disse que o processo foi aberto em um tribunal do Texas para impugnar a Lei de Autorização de Defesa Nacional que proíbe às agências governamentais de adquirir produtos da Huawei.

O Congresso dos EUA fracassou repetidamente em apresentar provas para apoiar suas restrições aos produtos da Huawei, e somos obrigados a tomar essa ação legal apropriada como último recurso

Ele afirmou que a decisão do governo de Donald Trump é "inconstitucional" e interfere no mercado.

Se esta lei for anulada, como deveria ser, a Huawei poderia fornecer mais avanços tecnológicos para os EUA e ajudar a construir as melhores redes 5G

Como a treta China x EUA pode afetar sua banda larga.

Guerra da internet móvel

A empresa chinesa tomou essa decisão após ser alvo de 13 acusações nos EUA, entre elas a de espionagem industrial e de fraude bancária, e aparecer na lista negra em vários países pela suposta falta de segurança de seus equipamentos de rede.

A diplomacia norte-americana pressiona países aliados e suas empresas de telecomunicação. A ideia é que evitem a Huawei, maior fabricante de equipamentos de telecomunicações e uma das três maiores fabricantes de smartphones do mundo, porque Pequim poderia forçá-la a espionar ou desativar suas redes.

As acusações sobre a segurança da tecnologia 5G desenvolvida pela Huawei sempre foram rechaçadas pela companhia, que insiste que não tem "portas dos fundos" para acessar qualquer dispositivo e controlá-lo sem o conhecimento do usuário.