Topo

Tecnologia


Guru do namoro online mostra o certo e o errado de procurar um amor via internet

Divulgação/Michelle Kinney Photography
Laurie Davis, 31, autora do livro ''Amor Ao Primeiro Clique: O Guia Definitivo do Namoro Online'' Imagem: Divulgação/Michelle Kinney Photography

Ana Ikeda

Do UOL, em São Paulo

2013-03-04T06:00:00

04/03/2013 06h00

Há 12 anos, a americana Laurie Davis, 31, criaria pela primeira vez na vida um perfil em um site de namoro online – o primeiro de muitos. Adolescente na época, ela mal podia imaginar que isso viraria seu “ganha pão” na vida adulta. Depois de incentivar os próprios amigos a aderir à prática, dando conselhos sobre como conduzir esses relacionamentos “digitais”, ela percebeu que tinha a habilidade especial de ajudar solteiros. Virou então especialista um pouco diferente: consultora de namoro online, com empresa, serviços e tudo mais.

“A empresa já ajudou em 13 casamentos. E dois casais já tiveram filhos!”, diz com orgulho a fundadora e diretora-executiva da eFlirt Expert, companhia que dá todo tipo de consultoria para quem deseja encontrar “a alma gêmea online”. 

Entre os serviços oferecidos estão uma repaginada completa do perfil que a pessoa tenhano site de namoro, ajudando na seleção de fotos e reescrevendo a descrição. Ela também auxilia nas resposta a e-mails: faz por você a “difícil” tarefa de escrever mensagens que atraiam o pretendente e responde as que você eventualmente receba.

Se precisar de uma ajuda mais dedicada, há ainda o aconselhamento via e-mail ou Skype, que também ajuda a “decifrar” mensagens de texto dele ou dela. O preço dessa ajuda especializada varia entre US$ 119 e US$ 199 (R$ 236 a R$ 395) por serviço.

Namoro online: dicas rápidas

Capriche ao fazer seu perfil online. A foto pode atrair, mas um texto raso afasta pretendentes
Procure pessoas fora da sua “zona de conforto”, que você normalmente não abordaria no offline
Adote o lema “Só basta um”. Você não precisa falar com o maior número de pessoas possíveis, só com aqueles que realmente valham a pena
Envie mensagens quando achar alguém interessante. Não fique esperando que o outro tome iniciativa
Não entendeu o que ele ou ela escreveu? Dê um tempo, se desconecte e releia o texto
Evite abreviações. Escrever palavras completas deixa sua intenção sempre clara
O diálogo online dura mais de 20 minutos? Considere um encontro offline
Cuidado para não virar apenas um “amigo por correspondência”
Evite rastrear a vida online do pretendente no Google ou Facebook. Você pode acabar tendo a impressão errada sobre ele
A química entre o casal é o mais importante: tudo pode mudar depois do encontro pessoal

Laurie também é autora do livro “Love At First Click: The Ultimate Guide to Online Dating” (Amor Ao Primeiro Clique: O Guia Definitivo do Namoro Online, em tradução livre), lançado em janeiro deste ano pela Atria Books.

Algumas dicas da “guru do namoro online” são caprichar no perfil no site escolhido – não vale apenas uma foto bonita – e limitar o número de troca de mensagens online, para o pretendente não virar apenas “amigo por correspondência”.

Sobre bisbilhotar a vida online do pretendente antes do primeiro encontro, a especialista americana é taxativa. “O Google não é seu melhor amigo”, frisando que os resultados encontrados na busca não foram moldados para quem procura um namorado, como em um site de namoro.

Se você ainda está em dúvida sobre a capacidade de Laurie na “arte do namoro online”, basta dizer que ela mesma está noiva – e que tudo começou pelo Twitter.

“Estava no Twitter buscando por # dating (encontro, em português) para achar solteiros que precisassem de ajuda e algumas marcas nesse mercado. Então encontrei o perfil @URwingman [Thomas Edwards]” , relembra Laurie.

“Achei o cara bonito, mas mais do que isso, perspicaz. Eu retuitei algo que ele disse e então começamos o 'xaveco' via sistema de respostas do microblog. A conversa morreu, mas me sentia muito atraída por ele. Então algumas semanas depois, eu o convidei para um coquetel via mensagem direta. Estamos juntos desde então, há três anos e meio.”

Mais Tecnologia