Topo

Tecnologia


E os recursos? Apple cai em contradição após vacilo que envolvia bateria

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Márcio Padrão

Do UOL, em São Paulo

2018-01-04T04:00:00

04/01/2018 04h00

Depois da grande DR --sim, a temível discussão de relacionamento-- que rolou nos últimos dias entre a Apple e seus consumidores, a empresa desculpou-se pela mudança no sistema operacional que deixava iPhones mais lentos à medida que a bateria envelhecia e deu um superdesconto para quem quiser trocar sua bateria velha por uma nova. 

Nos EUA, o preço cairá de US$ 79 para US$ 29; no Brasil, de R$ 449 para R$ 149.

Muita gente comemorou, afinal, qualquer desconto em produtos Apple é bem-vindo. Mas nisso ela criou um novo problema: onde foi parar todo aquele discurso da companhia de cuidar do meio ambiente?

Quantos recursos serão necessários para dar conta dessa demanda e o que será feito com as centenas, talvez milhares, de baterias antigas que retornarão às mãos da empresa?

VEJA TAMBÉM:

Quem entra na página da empresa dedicada às ações de proteção ao meio ambiente é recebido pela pergunta: "Será que um dia fabricaremos produtos sem gastar os recursos do planeta?"

Logo depois o texto diz: "Quando produtos podem ser usados por mais tempo, não é necessário extrair recursos para fabricar outros novos".

"Se, mesmo assim, algo parar de funcionar, temos programas como o AppleCare e as assistências técnicas autorizadas pela Apple, que ajudam nossos clientes a continuar usando seus dispositivos. Nós também lançamos atualizações de software com frequência, para que os produtos não fiquem obsoletos e tenham a maior vida útil possível", anuncia a Apple. 

Parece lindo... no papel. 

Segundo a Apple, a programação que reduzia o desempenho de iPhones com baterias usadas há algum tempo era necessária para salvar seu celular de picos de energia, que poderiam levar a um desligamento repentino.

Mas a história ainda não foi concluída. Processos estão rolando no exterior, e o Procon-SP notificou nesta quarta-feira (3) a Apple Brasil para obter mais informações sobre a mudança no software e detalhes sobre o novo programa de troca de baterias. A empresa terá 10 dias para se manifestar.

O desconto, em princípio, valeria para baterias envelhecidas --para saber o estado da bateria, seria aplicado um teste do Genius Bar, suporte técnico das lojas oficiais da Apple. Mas agora foi anunciado que qualquer dono de iPhone terá direito à troca com desconto.

A Apple vendeu 216,7 milhões de celulares, segundo seu relatório de 2017. Todos os iPhones com o iOS 10.2.1 ou posterior, ou seja, do iPhone 5S em diante, vêm com o tal recurso "antidesempenho máximo". Modelos mais antigos, comprados há pelo menos seis meses, estão mais suscetíveis à queda de capacidade. Isso sem contar o mercado paralelo de iPhones usados ou recondicionados.

Eis a conta: se 10% das pessoas que compraram um iPhone em 2017 quiser fazer a troca, serão mais de 20 milhões de baterias descartadas, sendo que parte delas sequer precisariam ser substituída.

Baterias contêm substâncias bem nocivas à saúde e ao ambiente, que podem levar à anemia, a problemas neurológicos e ao desenvolvimento de câncer. No ambiente, o descarte incorreto pode atingir os lençóis freáticos, o solo e a alimentação.

Então, fica a pergunta para a Apple: que fim terão essas baterias e quantas delas serão recicladas?

A companhia não havia respondido à reportagem do UOL até a publicação desta notícia. O que sabemos até agora é que ela já tem um programa de reciclagem de baterias e está experimentando usar cobalto reciclado nas baterias dos futuros produtos, segundo seu mais recente relatório de sustentabilidade.

Como saber se minha bateria está piorando?

Problemas ambientais à parte, se você só está interessado em saber se a bateria do seu iPhone caiu de rendimento ou não, fique atento aos sinais indicados pela própria Apple

  • Tempos maiores de inicialização de apps
  • Menores taxas de quadros durante a rolagem
  • Escurecimento da luz de fundo (que pode ser substituído na Central de Controle)
  • Volume mais baixo do alto-falante de até -3dB
  • Reduções graduais da taxa de quadros em alguns apps
  • Em casos mais extremos, o flash da câmera será desativado como visível na interface do usuário da câmera
  • Apps sendo atualizados em segundo plano podem exigir recarregamento após a inicialização

Alguns desses detalhes podem parecer técnicos demais para a maioria das pessoas perceber, porque são mesmo. Outros, como escurecimento da luz de fundo e flash desativado no app de câmera, são mais evidentes. Então se pela sua experiência você suspeitar de algo parecido com o que está acima, o melhor é levar para um técnico autorizado pela empresa para checar se a suspeita se confirma.

Bateria do iPhone rende bem mais com um único clique

UOL Notícias

Mais Tecnologia