Topo

Tecnologia


Bitcoin consome mais energia que muito país; ele vai destruir o planeta?

Getty Images
Mineração de criptomoedas pode ser um grande risco enérgico em breve Imagem: Getty Images

Victor Ferreira

Do Gamehall

02/02/2018 04h00

O bafafá sobre os altos e baixos do valor do bitcoin tem dominado o noticiário, mas existem um outro debate sério envolvendo as criptomoedas: elas vão destruir o meio ambiente?

Embora já exista há quase dez anos, a moeda virtual ficou popular entre os investidores nos últimos meses, por gerar ganhos rápidos e expressivos, o que disparou o alarme para o exagerado consumo energético envolvendo a mineração.

De acordo com o meteorologista Eric Holthaus, a tendência é de que este consumo só continue a crescer. Em um texto ao site Grist, ele escreveu:

Até julho de 2019, a rede de bitcoin precisará de mais eletricidade do que os EUA usam atualmente. Até fevereiro de 2020, ela usará o mesmo nível de eletricidade que o mundo inteiro usa hoje

Veja também:

Getty Images
Imagem: Getty Images

Pra que tanta energia?

Bitcoins podem ser adquiridos de duas formas: por meio de transações monetárias, trocando dólares, reais ou outros tipos de moeda pela criptomoeda, ou tentando pegar suas próprias unidades, no que é conhecido como mineração.

A mineração usa computadores para resolver uma equação complexa. Quando o problema é solucionado, o usuário recebe uma criptomoeda, que entra no chamado blockchain, registro que mantém todas as transações feitas pelo sistema desde seu início.

Com o passar do tempo, o processo vai ficando cada vez mais complexo e, por isso, mais demorado. Mas entusiastas de bitcoin, claro, encontraram formas cada vez mais eficientes de aumentar a geração de moedas.

Qilai Shen/Bloomberg
Imagem: Qilai Shen/Bloomberg

Supermáquinas

Primeiro, os mineradores substituíram os processadores por placas gráficas, que têm capacidade maior para realizar as equações. Depois, criaram máquinas dedicadas especialmente para a mineração.

O problema é que estas máquinas gastam uma quantidade absurda de eletricidade, não só porque componentes como placas gráficas consomem muita energia quando usadas a toda potência, mas porque é preciso mantê-los constantemente ligados para que o processo de mineração aconteça.

A preocupação não é nova. Sites de notícias como Bloomberg e Gizmodo fizeram alertas em 2013, quando a mineração ainda estava na casa de mil megawatt/hora --ou metade do necessário para ativar o Grande Colisor de Hádrons.

Mas agora, de acordo com estimativas do site Digiconomist, o consumo de energia envolvendo o bitcoin está perto de 12,5 mil megawatt/hora, comparável a todo o gasto energético de um país como o Iraque.

Analistas do banco Morgan Stanley chegaram a dizer que os mineradores usariam até 140 terawatts-hora de eletricidade em 2018, volume que representa quase 1% da demanda global e é suficiente para desviar a atenção dos carros elétricos como nova e explosiva fonte de consumo de energia.

Para se ter uma ideia, Alex de Vries, responsável pela página e especialista no assunto, explica que uma transação da criptomoeda gera 80 mil vezes a eletricidade envolvida em passar o cartão de crédito.

Compensa o gasto energético adicional? Acredito que, para a maioria das pessoas, não

Veja bem...

Embora os dados e previsões de Holthaus e da Digiconomist sejam fonte de bastante preocupação, nem todos acreditam que a mineração de bitcoin destruirá o planeta.

O grupo Credit Suisse, por exemplo, acha que é bem possível que os criativos mineradores encontrem formas mais sustentáveis de gerar novas unidades de bitcoins. O banco de investimento lembrou que também havia preocupações de gasto indevido de energia com produtores de maconha legalizada e operações de centros de dados, mas que alternativas foram descobertas para diminuir o impacto ambiental em ambos os casos.

Há também uma questão econômica: 2017 levou a uma espécie de "febre do ouro", o que aumentou o número de investidores e computadores usados. Agora que o valor da criptomoeda começou a cair, vai rolar um abandono e gasto energético também vai diminuir significativamente.

Ainda assim, é preciso ficar atento com a evolução e o impacto global do bitcoin, já que as reservas de novas unidades da criptomoeda devem durar até 2032.

Mais Tecnologia