Topo

Tecnologia

Audiências de Zuckerberg viram uma aula sobre como funciona a internet

Brendan Smialowski/AFP
Imagem: Brendan Smialowski/AFP

Do UOL, em São Paulo

11/04/2018 15h59

Por mais de dez horas, Mark Zuckerberg tentou dar explicações a veteranos congressistas norte-americanos sobre o recente escândalo envolvendo o uso de dados de 87 milhões de usuários da rede social como arma política.

Nas duas audiências, que marcaram a primeira ida dele ao Congresso dos Estados Unidos, o fundador do Facebook tentou se mostrar um ser humano arrependido, humilde e disposto a responder a todas as questões envolvendo o caso --e quem conhece um pouco o histórico dele sabe como isso pode ser um tremendo esforço.

Mas não foi só isso.

VEJA TAMBÉM

"Meu filho Charlie, que tem 13 anos, se dedica ao Instagram, então ele fez questão de que eu o mencionasse aqui", ouviu de um senador.

"Eu sou um membro orgulhoso do Facebook. Acabei de receber um post da minha irmã pelo dia nacional do irmão. Estou conectado com quatro ou cinco dos meus assessores e familiares enquanto dava a você a minha atenção", disse outro, exibindo um tablet.

Definitivamente, o que mais chamou a atenção de quem estava assistindo às audiências no Senado, e depois na Câmara, foi a falta de domínio dos parlamentares para assuntos relacionados a vida digital e redes sociais. Basicamente, eles pretendem regulamentar uma coisa que mal sabem como funciona.

Às vezes, nem parecia que se tratava de uma sabatina com um dos maiores executivos da área de tecnologia --também chamado de Zuckerbird ou Zuckerman ou ainda Zuckerbug pelos presentes.

Zuckeberg precisou ouvir coisas como "o Facebook tem consultores que conseguem descobrir o nível de dopamina de quem não quer sair da plataforma?" ou "os dados algum dia são apagados da nuvem ou de onde quer que estejam?" ou "se eu mando um email pelo WhatsApp, isso será avisado aos seus anunciantes?"

Sim, email via WhatsApp.

"Como o Facebook se sustenta se os usuários não pagam pelo serviço?", quis saber o senador republicano Orrin Hatch, de 84 anos. "Senador, nós veiculamos anúncios", precisou responder o executivo.

Os internautas das redes sociais não perdoaram

Este aqui resumiu a sensação: "Mark Zuckerberg está vivendo agora o pior pesadelo de todos os jovens: tentar explicar como as coisas de tecnologia funcionam para os idosos da nação."

"Assistir os membros do Congresso questionando Mark Zuckerberg é "como assistir seu avô tentando consertar o vídeo-cassete", disse o delator do escândalo da Cambridge Analytica à jornalista Christiane Amanpour.

“Seria legal ver Zuckerberg ser questionado por pessoas que sabem como funciona o Facebook”, publicou um internauta.

“Um monte de pessoas de 65 anos perguntando como tudo isso funciona deve ser o pior pesadelo de Zuckerberg”, escreveu o jornalista da Fox News.

Um internauta fez piadas ironizando algumas questões vagas levantadas pelo senador Chuck Grassley, 84 anos, que demonstravam que o congressista não estava muito habituado com o mundo da internet. 

"Sr. Zuckerberg, uma revista que eu abri recentemente veio com um disquete me oferecendo 30h gratuitas de algo chamado América On-Line. Isso é o mesmo que o Facebook?”, publicou. 

"Sr. Zuckerberg, minha esposa e eu compartilhamos uma conta no Facebook. Mas gostaríamos de ter FarmVilles diferentes. Existe alguma maneira que você possa definir isso para nós? Ela continua mexendo com as minhas colheitas!", ironizou outro jornalista.

"Onde fica Farmville, Mr. Zuckerberg, e por que você quer tão desesperadamente que eu vá até lá", brincou este:

"Zuckerberg com certeza tem muita sorte de todo mundo no Congresso ter milhões de anos e provavelmente chega no Facebook googando "Me leve até o Facebook", analisou outra:

Sabe o arroba, #comofaz? "Mr. Zuckerberg, eu estava mesmo querendo fazer essa pergunta. Como eu adiciono o círculo ao redor do 'a' para digitar um endereço de email?"

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Newsletters

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero receber

Mais Tecnologia