Topo

Tecnologia


Quick Charge: é seguro usar carregador turbo para ter bateria rapidamente?

iStock
Tecnologia "quick charge" dá 30% mais bateria em 20 minutos Imagem: iStock

Rodrigo Lara

Colaboração para o UOL

2018-10-02T04:00:00

02/10/2018 04h00

Quantas vezes você já precisou de uma carga rápida de emergência no celular porque a bateria acabou antes do previsto? O problema é que os carregadores comuns costumam realizar essa tarefa lentamente e quase nunca ajudam em uma hora de aperto. É aí que entram em cena os carregadores "turbo", cuja missão é carregar o mais rápido possível a bateria dos smartphones.

A maioria das marcas que vende aparelhos no Brasil tem acessórios do tipo.

Como funcionam

Segundo o professor Valter Fernandes Avelino, do Departamento de Engenharia Elétrica do Centro Universitário FEI, a tecnologia, chamada 'Quick Charge', permite que o processador do celular controle o carregamento da bateria, fazendo com que o carregador gere tensão e corrente mais elevadas do que o normal. 

Um carregador convencional, normalmente, gera uma tensão de 5 V e uma corrente que varia entre 0,5 e 1 A. Já um modelo turbo pode gerar tensões de 20 V e correntes de 2 ou 3 A. 

Dependendo do aparelho, o resultado disso é uma recarga de até 30% da bateria em cerca de 20 minutos. O suficiente, por exemplo, para permitir o uso do smartphone por mais algumas horas.

Por fornecer uma carga maior em menos tempo, um dos efeitos é que o celular esquenta um pouco mais.

"Ao fornecer mais carga rapidamente, gera uma dissipação maior dentro dos mecanismos de carga da bateria e com isso há um ligeira elevação de temperatura", afirma o professor Luiz Carlos Kretly, da Faculdade de Engenharia Elétrica da Unicamp.

Com o celular "mais quente", muitos usuários ficam com a impressão de que o aparelho está "forçando" além do normal, reduzindo, inclusive, a vida útil da bateria. Mas isso é verdade?

O professor Kretly explica que, em geral, baterias têm temperaturas ideais de funcionamento e que permitem prolongar a sua vida útil. "Qualquer temperatura fora da faixa ideal abrevia a vida das baterias, sim", diz. Mas, ressalta ele, no caso dos carregadores turbo, as fabricantes calculam esse risco:

Usar um aparelho do tipo gera pouco impacto, que não é suficiente para alterar a média de vida útil dos componentes

Para deixar os usuários ainda mais tranquilos, Avelino reforça que o celular controla a carga do carregador de maneira a evitar picos de tensão e de temperatura.

"O conjunto de controlador do carregador e microprocessador do celular opera de modo a identificar qual é a carga máxima que a bateria do smartphone pode receber sem que haja qualquer tipo de dano à bateria ou ao celular. Da mesma maneira, esse monitoramento reduz a corrente na medida em que a carga máxima vai sendo atingida", diz.

É por isso que a parte final da bateria - em geral, acima dos 80 ou 90% - demora mais para "encher". 

#DicasDeTec: veja como tirar o melhor proveito do seu celular

Confira nossa página

Todo celular suporta carregador turbo? 

Um carregador turbo pode ser usado em um celular que não possui suporte ao carregamento rápido, desde que seja original.

Se um carregador turbo original for conectado a um celular que não possui essa tecnologia, o carregador irá identificar a situação e gerar uma tensão convencional de carga, funcionando como um acessório comum

Valter Fernandes Avelino

Por serem mais caros --algo em torno de R$ 100--, muita gente acaba caindo na tentação de comprar cabos e carregadores não-originais. Mas o professor alerta: 

Carregadores sem o selo de homologação da Anatel, ou modelos genéricos, que simplesmente geram uma tensão maior na saída para o celular, podem causar danos à bateria ou ao próprio celular

Nestes casos, não há como garantir que a temperatura e a tensão estão sendo devidamente controladas. "Isso pode diminuir rapidamente a vida útil das baterias e provocar falhas, o que, em casos extremos, podem resultar em explosão devido a superaquecimento", afirma Avelino.

Bateria do iPhone rende bem mais com um único clique

UOL Notícias

Mais Tecnologia