Topo

Tecnologia


Ok, Google! Google Home ganha tela e Pixel agora vem em 3 versões

Márcio Padrão

Do UOL, em Nova York*

09/10/2018 12h30Atualizada em 09/10/2018 20h27

Novos produtos foram anunciados nesta terça-feira (9) pela Google durante evento em Nova York. O alto-falante inteligente ganhou tela, tornando-se um tipo de "monitor inteligente", e passa a ser chamar Google Home Hub. A empresa também confirmou os recentes vazamentos e apresentou os novos celulares Pixel 3 e 3 XL, além do Pixel Slate, um tablet com teclado destacável.

Ainda não há previsão de chegada desses produtos no Brasil. O Hub já entrou em pré-venda nos EUA por US$ 149 (R$ 554, na conversão direta sem impostos), mesmo valor antigo do alto-falante Google Home (sem tela) no país. O Pixel 3 custa US$ 799 (R$ 2.974) e o XL, US$ 899 (R$ 3.347). Já o Slate, US$ 599 (R$ 2.226).

Para o Brasil, a grande novidade do dia é que o Smart Compose, o recurso do Gmail que cria respostas rápidas e personalizadas para o usuário, está disponível agora em português. A nova versão do Chromecast também virá para o nosso país.

Hub

O Google Home Hub terá integração com o YouTube, para tocar vídeos com comandos de voz, e poderá fornecer informações visuais na tela de 7 polegadas, como as etapas de uma receita ou suas fotos de viagem do Google Fotos. 

Márcio Padrão/UOL
Nova linha da Google (em sentido horário): Pixel Slate, Pixel 3 e 3 XL e Google Home hub Imagem: Márcio Padrão/UOL

Desde o começo deste ano, o Google Assistente é o "cérebro" de outros alto-falantes com tela, como Lenovo (Smart Display), JBL (Link View) e LG (ThingQ View WK9). Agora, é a vez do Google Home ganhar o recurso, para concorrer com o Echo Show, monitor da Amazon com a assistente Alexa, que foi atualizado recentemente. O aparelho da Google tem caixas de som com 80 decibéis - ela é capaz de fazer um sonzinho.

VEJA TAMBÉM:

Segundo Rick Osterloh, chefe de hardware da Google, os novos aparelhos foram pensados para que a inteligência artificial organize suas informações. 

"Desenvolvemos novas ferramentas que deixam você controlar seus dispositivos e não eles te controlarem. Conseguimos fazer você entender o tempo que você gasta em aplicativos. E providenciamos a pais uma forma de controlar o tempo de uso dos filhos", disse.

Como funciona o alto-falante inteligente?

A linha Google Home possui o assistente virtual Google Assistente, que obedece a comandos de voz. Seus concorrentes são o HomePod da Apple, que usa a Siri, dos iPhones; e o Echo, da Amazon, que usa a assistente Alexa.

Com um aparelho desses, você fala e ele responde com informações: "vai chover?", "quais são as minhas reuniões de hoje?", "que horas o restaurante X abre?", "que filmes estão em cartaz?", "quanto é 2+2?", "que horas são em Nova York?", "quanto está o dólar?".

Outras funcionalidades são rádio, despertador, agenda e secretária. Com tela, esse tipo de assistente ganha mais recurso de mídia, podendo também mostrar vídeos do YouTube e mapas, por exemplo.

Márcio Padrão/UOL
Acessório tem uma tela de 7 polegadas Imagem: Márcio Padrão/UOL

Outra grande vantagem desses produtos é interagir com os eletrodomésticos da sua casa e executar tarefas, como acender luzes e termostatos, fazer ligações telefônicas para a família inteira ouvir, checar o que falta na sua geladeira smart, avisar que a porta do freezer ficou aberta, apitar quando terminar o ciclo da máquina de lavar as roupas ou mostrar na sua TV a imagem da babá eletrônica. É a chamada internet das coisas.

A lista de possibilidades é grande e segue crescendo. O Google tem uma página (em inglês) só para descrever todas elas.

Mais de 24 milhões de alto-falantes inteligentes foram vendidas em 2017 nos EUA, segundo o site de análises de mercado "Strategy Analytics".

Surgiu ainda o Home View, uma plataforma de internet das coisas para que o Hub possa controlar e integrar diferentes objetos inteligentes da casa, como os alto falantes, lâmpadas e câmeras.

VEJA TAMBÉM:

Reprodução
Pixel 3 foi apresentado no Made by Google Imagem: Reprodução

Pixel 3

O Google também aproveitou o evento para atualizar sua linha de celulares. O Pixel 3 XL ganhou o polêmico entalhe (oi, iPhone X e XS) na parte superior da tela. Já o "irmão menor", o Pixel 3, vem com uma tela convencional. No visual, ele continua com aquela estranha faixa preta na parte superior traseira.

A tela do Pixel 3 é de 5,4 polegadas de resolução Full HD --o 3 XL, é maior: 6,3 polegadas QuadHD.

Na parte traseira, existe um leitor de digital e a câmera traseira simples de 12 MP, que vem com recursos de inteligência artificial para melhorar a qualidade das imagens no pós-processamento, como ocorreu no elogiado Pixel 2 do ano passado

Reprodução
Google diz que fotos do Pixel 3 serão melhores do que as do iPhone XS em ambientes escuros Imagem: Reprodução

A câmera de selfie é dupla, com 8 MP, e, diz o Google, têm um ângulo capaz de captar 184% mais informação do que a do modelo anterior.

Para mostrar a força da câmera do Pixel, o Google fez um projeto com fotógrafos renomados de revistas como "GQ" e "Allure" para que estes usassem o celular em suas fotos de capa.

Os smartphones receberam os recursos Top Shot, uma ferramenta de fotos tipo o Live do iPhone, Night Sight, que melhora as fotografias com pouca iluminação, sem flash, e Playground, que vai colocar personagens tridimensionais nas fotos.

O Pixel usará o Duplex, com um sistema de rastreamento de ligações. Se você não quiser atender, o Google Assistente atenderá, transcreverá a resposta de quem ligou e aí você toma a decisão se atende, desliga ou reporta como spam (telemarketing). "Você nunca mais terá que falar com um assistente de telemarketing", disse a Liza Ma, gerente de produtos da Google.

Márcio Padrão/UOL
Pixel 3 (dir.) e seu irmão maior, o Pixel 3 XL Imagem: Márcio Padrão/UOL

Ambos os celulares vieram com processador Snapdragon 845 octa-core, 6 GB de memória RAM e 64 ou 128 GB de armazenamento interno, sem entrada para cartão de memória microSD.

Os modelos vieram com fones de ouvido com fio adaptados para a porta USB Tipo-C, já que o Google seguiu o movimento adotado por Apple, Motorola e LG e retirou a entrada de 3,5 mm para fones de ouvido convencionais. E como esperado, os Pixels já vêm com Android 9 Pie de fábrica. Fora isso, o dispositivo agrega as soluções de segurança da marca Titan, além do Digital Wellbeing, com limites de uso para aplicativos e controles de pais.

Já o Pixel Slate é mais um produto do Google para emplacar no mercado de supertablets/híbridos profissionais, como iPad Pro e Surface Pro. Ele aceita um teclado físico destacável, e por dentro vem com até 16 GB de RAM e um processador Intel i7.

* O jornalista viajou convidado pela Google

Google Pixel Slate: veja primeiras impressões sobre o híbrido

UOL Notícias

Mais Tecnologia