Topo

Tecnologia

Transporte

Empresas de ônibus estão chiando de suposta concorrência "desleal" da Uber

Leandro Moraes/UOL
Empresas de ônibus alegam queda no número de passageiros por causa de apps Imagem: Leandro Moraes/UOL

Gabriel Francisco Ribeiro

Do UOL, em São Paulo

28/11/2018 16h43

Por essa você não esperava. Se pensava que só táxis reclamavam da Uber no Brasil, uma nova categoria parece incomodada com a concorrência: as empresas de ônibus urbanos que prestam serviços municipais.

A Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), que representa mais de 500 empresas do setor, soltou um comunicado alegando que há uma "concorrência desleal" de transportes sob demanda por aplicativos na modalidade coletiva --como o Uber Juntos, nova modalidade do app que substituiu recentemente o Pool em algumas localidades, e o próprio Pool.

Veja também:

Na nota, a NTU cita até uma suposta "ameaça de extinção e inviabilidade do serviço de transporte público por ônibus em todo o Brasil". A associação argumenta que houve uma queda de 5% na demanda das redes públicas em algumas cidades por causa do transporte por aplicativo, além de uma queda de 25% entre 2014 e 2017.

A entidade pede, em carta aberta, que a Frente Nacional de Prefeitos (FNP) proteja o serviço - o assunto entrou na pauta da 74ª Reunião Geral da FNP, que ocorre nesta quarta (28) em São Caetano do Sul (SP). A NTU chega a considerar o tipo de transporte compartilhado "ilegal" e compara com as antigas vans-lotações.

Ele opera basicamente nas curtas distâncias e nos horários de maior demanda, que são as viagens mais rentáveis e servem justamente para subvencionar aquelas de longa distância nas redes públicas

Otávio Cunha, presidente executivo da NTU

A Uber já está regulamentada no Brasil no âmbito federal, mas a lei dita que cada cidade pode ter suas próprias regras para o aplicativo. A intenção da NTU é que cidades impeçam o transporte compartilhado entre passageiros nos apps.

Ao entrar em briga direta com a Uber, a NTU pode sofrer um efeito contrário como ocorreu com os táxis. As empresas de ônibus são vistas com desconfiança por parte da população por receberem subsídios governamentais e por nem sempre oferecerem serviço de qualidade - esse último item também ocorria com taxistas, que acabaram "perdendo" a briga para vetar a Uber no Brasil.

Como exemplo, somente a cidade de São Paulo, a maior do Brasil, repassará às empresas de ônibus R$ 3 bilhões em 2018. O valor serve para ajudar a completar o custo do sistema de transporte público - atualmente, a tarifa municipal para usuários está em R$ 4.

Compartilhamento visa tirar carros da rua, segundo Uber

A Uber argumenta que o Juntos e Pool servem para "colocar mais pessoas em menos carros" e reduzir o trânsito. O serviço deixa que até quatro pessoas dividam o valor de uma corrida pedida por aplicativo, se vão para localidades similares. Desta forma, sai mais barato para usuários e o motorista recebe o mesmo valor.

Ao UOL Tecnologia, a Uber afirmou que o Juntos não é uma modalidade de transporte coletivo, mas um "sistema que combina viagens individuais com trajetos convergentes" e que representa mais uma opção de mobilidade compartilhada com uso de tecnologia.

Ao tornar o uso do automóvel mais eficiente, a Uber acredita que o Uber Juntos complementa o transporte público, ampliando o acesso dos usuários à rede pública principalmente na região central -  exatamente onde existe maior necessidade de diminuir o fluxo de carros 

Uber

A empresa ainda lembra que a modalidade de viagem compartilhada é incentivada e autorizada nas regulações municipais dos aplicativos em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo. 

Recentemente, a Uber tem entrado no mercado de transporte público, mas por meio de parcerias - uma das intenções da empresa futuramente é até vender tickets de transporte público em seu aplicativo. No Rio, a empresa passou a dar desconto para usuários do metrô da cidade. O executivo-chefe da empresa, Dara Khosrowshahi, já afirmou, contudo, que gostaria de operar sistemas de ônibus de uma cidade.

O serviço do Pool ou Juntos tem, em algum nível, competição com ônibus e transporte público. Recentemente, a empresa criou o Juntos, que faz o usuário andar um pouco até o carro solicitado para que as corridas sejam mais eficientes e lineares, além de terem um desconto melhor. Essa modalidade lembra o transporte público, guardadas as proporções.

Há casos de trocas de ônibus por aplicativo

A Uber já citou anteriormente que há um caso de cidade em que o sistema de transporte público foi substituído pelo UberPool. Isso ocorreu na pequena cidade canadense de Innisfil, em uma parceria do aplicativo com o município. O caso, contudo, é visto como um extremo e pouco provável de se repetir.

Já no Texas, nos Estados Unidos, a cidade de Arlington trocou uma frota de ônibus que operava há quatro anos por uma parceria com uma startup chamada Via, que oferece corridas compartilhadas por vans pedidas por aplicativos. Outras cidades norte-americanas já contam com parcerias com empresas para serviços semelhantes.

Perguntado se considerava ônibus e trens "passado", o prefeito da cidade texana afirmou à CBS em março deste ano que "com certeza". Para ele, as novas tecnologias são mais baratas e, por isso, teremos menos trilhos construídos. Um estudo de julho deste ano, contudo, chegou a apontar que o UberPool deixa o trânsito das cidades pior.

Vou de app! Na briga com o Uber, os táxis não morreram

Confira o especial

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Newsletters

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero receber