Topo

Tecnologia

Negócios


Nude, extorsão e Trump: o que se sabe sobre o polêmico divórcio de Bezos

Chip Somodevilla/Getty Images
Donald Trump, presidente dos EUA, Satya Nadella, CEO da Microsoft, e Jeff Bezos, CEO da Amazon, em reunião na Casa Branca. Imagem: Chip Somodevilla/Getty Images

Helton Simões Gomes e Rodrigo Trindade

Do UOL, em São Paulo

2019-02-08T13:23:14

08/02/2019 13h23

Aos românticos inveterados, um aviso: o amor pode chegar ao fim. O rompimento de um famoso casal deixou de ser assunto particular, passou de raspão pelas páginas de fofoca e virou destaque no noticiário econômico e político. Não é à toa: trata-se do divórcio da pessoa mais rica do mundo, Jeff Bezos, o fundador e CEO da Amazon, e possui picantes detalhes políticos que envolvem até Donald Trump, presidente dos Estados Unidos.

Além de levantar questionamentos sobre o futuro da empresa - uma das cinco maiores do mundo --, o desenlace possui elementos que poderiam atingir qualquer ser humano, ainda que não fosse um endinheirado ou que ocupasse a chefia da nação mais poderosa do mundo: as conversas particulares entre Jeff e sua suposta amante foram publicadas por um terceiro, que, agora, ameaça divulgar nudes dele e da mulher. Poderia ser você.

Além disso, como em todo fim de relacionamento, o dito fica pelo não dito e muitas dúvidas pairam. Por isso, vamos ao que se sabe sobre a polêmica entre Bezos e Trump:

O Fim

O anúncio do fim do casamento entre Jeff e MacKenzie Bezos foi feito oficialmente 9 de janeiro. Pelo Twitter, o executivo publicou um comunicado em conjunto com a ex-companheira para afirmar que a união de 25 anos chegara ao fim.

Nós queremos deixar as pessoas a par dos desdobramentos em nossas vidas. Como nossa família e amigos próximos sabem, depois de um longo período de exploração amorosa e separação experimental, nós decidimos nos divorciar e continuar nossa vida compartilhada como amigos.

Eles se conheceram em 1992 durante uma entrevista de emprego no fundo de investimento em que Jeff trabalhava como vice-presidente em Nova York. O trabalho era uma ocupação para pagar as contas, já que MacKenzie é escritora - já estudou com a ganhadora do Nobel Toni Morrison e ganhou o American Book Award de 2006 por The Testing of Luther Albright. Casaram-se em 1993 e, no ano seguinte, se mudaram para Seattle (Washington), onde Jeff fundou a Amazon, uma livraria online na garagem da casa dos dois que teve MacKenzie como uma das primeiras funcionárias. Durante o primeiro ano da empresa, ela foi responsável pela contabilidade. Os dois têm três filhos e uma filha -- a menina foi adotada na China.

GettyImages
Jeff Bezos, CEO da Amazon, e sua ex-esposa MacKenzie Imagem: GettyImages

Jeff e MacKenzie dizem que a separação é amigável. Ainda assim, a lei de divórcio de Washington estabelece que os bens do casal devem ser divididos entre os cônjuges. A fortuna de Jeff, também CEO da empresa aeroespacial Blue Origin e dono do Washington Post, é avaliada em US$ 134 bilhões. Com isso, ela pode vir a ser a mulher mais rica do mundo, já que a primeira da lista, Françoise Bettencourt Meyers, tem US$ 49,8 bilhões. Especialistas dizem que o rompimento dos dois pode pautar acordos nupciais de executivos de alto escalão.

A amante

Em meio a isso, surgiu a ex-apresentadora de TV Lauren Sanchez. Pouco depois de Jeff e MacKenzie revelaram seu divórcio, diversos tabloides passaram a anunciar que ele estava namorando com Lauren. O National Enquirer afirmou que o relacionamento já existia há meses e até publicou uma foto dos dois de mãos dadas.

Sanchez já esteve na bancada de diversos programas jornalísticos como o "Good Day LA", da Fox, e já chegou a ser nomeada para o Emmy Award, espécie de Oscar da TV. Lauren também é atriz e fez aparições em vários filmes, como "O Dia Depois de Amanhã" e "Quarteto Fantástico". Separada recentemente do empresário Patrick Whitesell, ela é mãe de três filhos. Além disso, também é dona de uma empresa de filmagens aéreas.

O barraco

A Enquirer não ficou apenas na acusação de que Jeff traiu MacKenzie. O tabloide publicou mensagens privadas entre ele e Lauren. Nelas, Jeff conta que a ex-esposa sonhara que ele redecorava o quarto dos dois e também agradecia a ex-apresentadora por indicar a contratação do cantor Bono Vox, do U2.

Ainda que tenha alimentado comentários maldosos, a notícia não teria ido além da fofoca caso não tivesse sido comentada por Trump. O presidente dos EUA usou o divórcio de Jeff, um desafet, para tripudiar. Tanto que, em vez de Bezos, chamou-o de Bozo:

Sinto muito ouvir as notícias sobre Jeff Bozo ser derrubado por um competidor cuja reportagem, eu entendo, é muito mais acurada do que as reportagens de seu jornal lobista, o Amazon Washington Post. Esperançoso de que a publicação vá em breve parar em melhores e mais responsáveis mãos!

Bezos acusa tabloide National Enquirer de usar nudes para chantageá-lo

UOL Notícias

Depois que suas conversas com Sanchez vieram a público, o chefão da Amazon iniciou uma investigação do que aconteceu. Três hipóteses foram levantadas, embora as duas primeiras não tiveram embasamento depois da análise dos investigadores:

  • a) celular de Bezos hackeado: a análise forense descartou essa possibilidade por não encontrar evidências;
  • b) Lauren Sanchez divulgou o conteúdo das conversas: os investigadores não encontraram sinais de que isso ocorreu;
  • c) fotos vieram de um conhecido: Gavin de Becker, consultor de segurança contratado por Bezos, afirmou ao Daily Beast que esse é um dos focos das investigações já que as imagens podem ter vazado por meio do irmão de Lauren, Michel.

Como o chefão da Amazon superou Bill Gates e virou o mais rico do mundo

Conheça Jeff Bezos

Só que, como todo barraco, tudo podia piorar. E piorou: Jeff publicou um texto no Medium relatando como tem sido chantageado pelos donos da National Enquirer. Em um rompante de sinceridade ou de jogo de cena, o executivo revelou que o tabloide possui fotos suas e de Sanchez em que aparecem nus ou seminus. Um dos email entre executivos da Enquirer, copiado no texto, afirma que há no pacote uma "foto de pinto".

Segundo o CEO da Amazon, a Enquirer usa os nudes para chantageá-lo: ou ele e o Washington Post param de conduzir uma investigação sobre os laços políticos do jornal sensacionalista com Trump e seus interesses comerciais na Arábia Saudita ou as fotos iriam a público.

O outro

A investigação contratada por Bezos acredita haver evidências de que as mensagens de Jeff foram jogadas no ventilador com uma motivação política.

As críticas de Trump a Jeff não começaram agora. São direcionadas sobretudo à cobertura crítica do Washington Post sobre a gestão do presidente. No ano passado, sobrou até para a Amazon, de quem Trump reclamou por usar o serviço postal norte-americano para enviar algumas de suas mercadorias.

Os laços do presidente são um desses indicativos: ele é amigo de David Pecker, executivo-chefe da American Media, empresa proprietária do Enquirer. A publicação já chamou Bezos de "idiota" em reportagens e chegou a enterrar uma das maiores polêmicas do governo Trump (até agora): comprou o uso exclusivo da história de Stormy Daniels, a estrela pornográfica que, após dizer ter tido um caso com o presidente, foi paga pelos advogados para não falar a respeito. Só que, em vez de levar os detalhes das declarações ao público, a Enquirer não publicou nada.

O irmão de Lauren tem ligações pessoais e até já fez negócios com pessoas como Roger Stone, conselheiro de Trump e que foi preso pelo FBI durante uma investigação sobre a conexão da campanha presidencial de 2016 com os russos. Os investigadores acreditam ainda que a Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) possa estar envolvida na obtenção das mensagens e fotos de Jeff, a pedido de Trump.

Pecker ainda é uma testemunha crucial na investigação sobre os pagamentos a Stormy e a outra mulher que dizem ter tido relacionamentos íntimos com Trump. Mas, segundo o New York Times, ele fechou um acordo com a promotoria para ter imunidade e não ser processado.

A história está longe de terminar, ainda mais porque Pecker diz não ter feito nada de errado. A dona da Enquirer afirmou em nota que "acredita fervorosamente que agiu dentro da lei ao reportar a história do Sr. Bezos". A empresa informou que irá investigar as alegações de Jeff e até ameaça processá-lo.

Dono da Amazon vira pessoa mais rica do mundo

Band Notí­cias