Topo

Tecnologia

iPhone


Tem iPhone pirata nas ruas! Saiba como ficar longe de um

Richard Drew/AP
Imagem: Richard Drew/AP

Rodrigo Lara

Colaboração para o UOL, em São Paulo

2019-02-10T04:00:00

10/02/2019 04h00

É bem provável que, ao caminhar por regiões de comércio popular de grandes cidades brasileiras, você já tenha visto "iPhones" sendo vendidos por preço muito abaixo do normal. Ao olhar a caixa do aparelho, é bem provável que sequer note uma diferença, mas não se engane: a chance de ser um celular roubado ou falso é enorme.

Em ambos os casos, comprar um aparelho do tipo é uma tremenda furada.

A frase acima parece óbvia, mas não é nada óbvio sacar as diferenças visuais entre um aparelho original e um pirata. Esse é o maior problema: você pode ser facilmente enganado.

Duvida? Então veja as imagens abaixo. A primeira é a de um anúncio no Mercado Livre, que deixa claro se tratar de um clone.

Reprodução
Imagem: Reprodução

Já essa a seguir é de um canal chamado EverythingApplePro, que testou um clone do iPhone X. Você seria capaz de indicar qual é o aparelho real e qual é o clone?

Reprodução
Imagem: Reprodução

Android com cara de iOS

O grau de sofisticação desses aparelhos piratas vai além do exterior do aparelho. O sistema utilizado neles é um Android completamente alterado para ter a mesma interface do iOS. Isso inclui não apenas ícones, mas também menus e funções.

Em casos mais extremos, como o do clone do iPhone X acima, funções como o Face ID também estão presentes, ainda que de maneira rudimentar.

Novamente: é bastante provável que um leigo que resolva testar rapidamente o aparelho já ligado acabe sendo enganado com facilidade.

Como identificar?

Quem compra um celular assim está sujeito a enfrentar alguns problemas. Primeiramente, apesar da estética parecida, esses celulares não costumam ter um desempenho satisfatório, especialmente em quesitos como qualidade de som e de câmera.

Em um segundo momento, é provável que esse aparelho fique inutilizado uma vez que a Anatel começou a bloquear aparelhos piratas.

O primeiro passo para evitar cair em uma armadilha do tipo é ter bom senso: não existe milagre quando falamos de preço de iPhone. Uma breve pesquisa mostra que o modelo mais barato à venda no Brasil, o iPhone SE, não sai por menos de R$ 1.300. Logo, é improvável que um "iPhone 8" como o do anúncio mostrado aqui em cima seja encontrado por menos de R$ 800.

Outro sinal claro de que se trata de um aparelho falso é a tela que aparece quando o celular é ligado. No caso de aparelhos da Apple, apenas o logotipo da maçã aparece quando o aparelho está sendo inicializado. Nos celulares piratas, em geral, há outras informações neste momento.

Uma breve busca no site da Apple também ajuda a saber, por exemplo, quais são as características dos modelos originais, como cores e conexões. Não é raro encontrar clones sendo vendidos com cores diferentes e também com entradas para fones de ouvido (o que a Apple aboliu do iPhone 7 em diante), micro USB (a Apple cabos Lightning) ou, ainda, cartões de memória. Alguns clones, inclusive, oferecem características que não existem nos produtos Apple, como TV digital.

Mexer no aparelho por alguns minutos também é suficiente para saber se ele se trata de uma cópia. Basta tentar acessar serviços da Apple como a App Store --não vai funcionar. Outras funcionalidades, como a assistente Siri, também não aparecem em aparelhos pirata.

Como no caso do Face ID do iPhone X falso que falamos acima, algumas soluções da Apple acabam sendo copiadas de maneira grosseira. É o caso do botão Home, que passou a ser sensível à pressão do dedo a partir do iPhone 7 (e não mais um botão clicável) e do sensor de digitais neste botão, que estreou no iPhone 5S e está presente em todos aparelhos com botão Home físico da marca lançados desde então.

Também vale checar se o número de série do aparelho - que pode ser visto na opção "Sobre", após acessar "Ajustes" e "Geral" - corresponde ao de um produto Apple. Isso pode ser feito no próprio site da empresa.

Por fim, o ideal é sempre adquirir produtos do tipo de varejistas confiáveis e ficar longe de ofertas muito boas. Especialmente quando o assunto é preço de iPhone, vale levar ao pé da letra o ditado que diz que quando o milagre é bom demais, até o santo desconfia. 

Da tela touch a reconhecimento facial, passando pela tela gigante: como o iPhone evoluiu

Leia mais
 

Um iPhonão desse, bicho! Com iPhone XS Max, a Apple se rendeu à telona

Relembre a evolução