Topo

Quer parar de fumar? Apps ajudam a controlar o lado psicólogico; entenda

iStock
Largar o vício não é fácil; para médico, app ajuda como um incentivo Imagem: iStock

Rodrigo Lara

Colaboração para o UOL, em São Paulo

2019-02-23T04:00:00

23/02/2019 04h00

Se você é fumante ou ex-fumante, sabe bem: largar o vício em cigarros é bem difícil. Além da vontade constante de acender um cigarro e das tentações por todos os lados, quem para de fumar precisa lidar com sintomas físicos, como dores de cabeça e falta de disposição, e psicológicos, como irritação e falta de concentração. Falo por experiência própria. Para enfrentar a parada, qualquer ajuda é bem-vinda.

Diversos aplicativos de celular prometem ajudar quem está disposto a largar o cigarro --a maioria possui funções similares. A dúvida que fica, claro, é: eles funcionam?

Com a palavra, o especialista

Os apps ajudam, sim, mas não são decisivos. A razão para isso é que não há um método totalmente eficaz para largar o vício.

"Eu costumo dizer que o melhor método para se parar de fumar é aquele que funciona", diz Elie Fiss, pneumologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz. "No mundo ideal, o fumante conseguiria parar de fumar sem qualquer tipo de remédio ou de ajuda externa, mas sabemos que não é tão simples."

Para Fiss, antes de utilizar um aplicativo, o ideal é consultar um médico especialista. "Esse é o melhor caminho, uma vez que o tabagismo é considerado uma doença. Aí será definida a necessidade ou não de tomar um remédio. Cada caso é um caso".

Uma vez definida a estratégia, usar um aplicativo para acompanhar na jornada pode ser uma boa ideia.

Tem a questão do incentivo. Eu acredito que [os apps] podem ajudar pelo lado psicológico. Também ajuda o fato de que as pessoas sempre estão com os seus celulares

Fiss

Para o médico, esse incentivo adicional é uma ajuda e tanto considerando que um dos aspectos mais sérios da dependência de uma droga como a nicotina é, justamente, a dependência psicológica:

Estamos falando de uma substância altamente viciante, e um dos principais desafios que um fumante enfrenta quando quer parar de fumar é, justamente, o medo de ficar sem cigarro

Ele, no entanto, lamenta que não ainda não exista nenhum app que ataque, justamente, a questão do medo de ficar sem cigarro.

"Mensagens como contador de tempo que a pessoa está sem fumar, valor economizado e similares são, sem dúvida, importantes. Mas eu vejo que ainda falta um [app] que seja mais incisivo nesta questão do medo".

Como escolher

Mesmo assim, há algumas questões que devem ser levadas em conta na hora de escolher um app.

Se você é do tipo que sente mais dor no bolso, por exemplo, um aplicativo que consiga enfatizar o dinheiro economizado com os cigarros deixados de comprar pode ser o ideal.

Um app que exagere nas notificações pode deixar a pessoa ansiosa ou atrapalhe que ela "esqueça" do cigarro. Da mesma forma, um que não mostre nenhuma notificação acaba sendo inútil.

"O ideal, sempre, é o meio-termo", afirma o médico. 

Experiência positiva

No meu caso, ainda que não determinante, um app do tipo ajudou. Na ocasião, o escolhido foi o QuitNow!, disponível para celulares Android. 

Além de contar os dias sem cigarro e calcular o quanto de dinheiro eu estava economizando, ele me lembrava de aspectos interessantes, criando espécie de "conquistas" conforme os dias sem cigarro se acumulavam. 

Mas, depois de um tempo, deixei de utilizá-lo porque as notificações --que não eram tão insistentes assim-- acabavam tendo um efeito contrário e me lembravam recorrentemente do cigarro. Ainda assim, é inegável a contribuição do aplicativo para o meu objetivo.

A experiência com um desses apps, claro, varia de pessoa para pessoa, o que impede de eleger um deles como "o melhor de todos". Ainda assim, é seguro dizer que quem está disposto a parar deve experimentar algum deles. Afinal, toda ajuda é válida. 

Já parou para pensar como funciona? Entenda a tecnologia por trás das coisas do nosso dia a dia!

Leia mais
 

Robôs que resolvem a vida, eletrônicos (in)úteis, bugigangas para todas as necessidades...

Gadgets que queremos