Topo

Tecnologia

Redes sociais


Após tragédia da Nova Zelândia, Austrália vai combater extremismo na web

Jorge Silva/Reuters
Cerimônia de sepultamento das vítimas dos ataques às mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia Imagem: Jorge Silva/Reuters

Da agência RFI

2019-03-31T11:57:23

31/03/2019 11h57

A Austrália se comprometeu neste sábado (30) a adotar uma legislação mais rigorosa, com penas de prisão e multas, para dirigentes de meios de comunicação e redes sociais que não eliminem rapidamente imagens e mensagens de caráter extremista, duas semanas após o massacre de Christchurch, na Nova Zelândia.

O novo pacote de leis será apresentado ao Parlamento na próxima semana.

Desde o massacre de 50 pessoas, no dia 15 de março, em duas mesquitas de Christchurch por um supremacista branco australiano que transmitiu o ataque pelas redes sociais, o governo em Canberra pressiona a mídia para impedir que terroristas utilizem suas plataformas.

Horas após o massacre, o Facebook retirou 1,5 milhão de cópias do ataque, transmitido "ao vivo" por seu autor nesta rede social.

"As grandes empresas de redes sociais têm a responsabilidade de adotar todas as medidas possíveis para garantir que seus produtos tecnológicos não sejam utilizados por terroristas", declarou o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison.

Omissão será punida

A lei criará a figura penal pela omissão de qualquer plataforma em destruir rapidamente "documentos violentos e repugnantes", como um ataque terrorista, assassinato ou estupro.

Os dirigentes de redes sociais considerados culpados enfrentarão até três anos de prisão e suas empresas poderão pagar uma multa de até 10% de seu volume de negócios anual.

"A mídia convencional que difundir este tipo de documento poderá perder sua licença, e não há motivo para que as redes sociais sejam tratadas de forma diferente", declarou a Procuradoria-Geral.

Facebook endurece regras para "ao vivo"

O Facebook anunciou nesta sexta (29) que endurecerá suas regras para a transmissão de vídeos "ao vivo".

"Em razão do ataque terrorista estamos adotando três medidas: fortalecer as regras para o uso do Facebook Live, adotar novas ações para enfrentar o ódio em nossas plataformas e apoiar a comunidade neozelandesa", informou a diretora operacional da rede social, Sheryl Sandberg.

A diretora revelou ainda que o Facebook analisa impedir a transmissão "ao vivo" de pessoas que já tenham violado previamente os padrões da rede social.

O Facebook também investe para melhorar o software visando identificar rapidamente versões editadas de vídeos ou imagens violentas, e impedir que sejam compartilhadas ou voltem a ser publicadas.

"Apesar de o vídeo original do ataque na Nova Zelândia ter sido publicado no Live, sabemos que foi difundido principalmente por gente que o compartilhou e o editou para dificultar nosso bloqueio", destacou Sandberg.

2018, o ano que a casa caiu para o Facebook

Relembre os escândalos