Topo

Tecnologia

Samsung


Mas já? Celular dobrável da Samsung apresenta falhas após poucos dias

Gabriel Ribeiro/UOL
Repórteres relatam falhas em unidades de teste do Galaxy Fold Imagem: Gabriel Ribeiro/UOL

Gabriel Francisco Ribeiro

Do UOL, em São Paulo

2019-04-17T17:24:26

17/04/2019 17h24

Resumo da notícia

  • Repórteres que receberam Galaxy Fold para testes citam defeitos na tela após poucos dias
  • Celular custa quase US$ 2 mil e começará a ser enviado para consumidores na próxima semana
  • Até aqui, aparelho era envolto em mistério e não havia sido testado por ninguém fora da Samsung
  • Empresa sul-coreana ainda não se manifestou sobre os supostos defeitos

A Samsung revolucionou o mundo dos smartphones com o lançamento do Galaxy Fold, seu primeiro celular dobrável. Envolto em mistério e até agora distante das mãos de consumidores e analistas, o novo celular, que custa quase US$ 2 mil, parece estar sofrendo com defeitos em alguns testes após apenas alguns dias de uso.

Repórteres internacionais que receberam modelos do dispositivo afirmaram nesta quarta-feira (17) que tiveram problemas com a tela do celular dobrável poucos dias após começarem a usar o novo smartphone.

Até aqui, falhas foram notadas em seis unidades de teste, incluindo jornalistas dos veículos The Verge, Bloomberg e CNBC. No Twitter, o repórter do The Verge, Dieter Bohn, afirmou que "algo aconteceu com a tela do meu Galaxy Fold que causou uma protuberância".

Segundo o repórter, a protuberância eventualmente fez o dispositivo se quebrar e a empresa sul-coreana já enviou um novo aparelho para seguir com os testes.

Já Mark Gurman, da Bloomberg, postou em seu Twitter imagens de uma das telas do produto sem funcionar. O Galaxy Fold é um celular dobrável com três telas diferentes que fazem com que o celular, quando aberto como um livro, tenha o tamanho de um tablet.

"A tela do meu Galaxy Fold para review está completamente quebrada e sem uso apenas dois dias após início dos testes. Difícil saber se é uma falha geral ou não", aponta.

De acordo com Gurman, o smartphone vinha com uma película protetora que foi removida pelo jornalista. A Samsung aponta que essa película não deve ser retirada.

Outro jornalista com problema foi Steve Kovach, do site CNBC. No Twitter, ele postou um vídeo em que o seu Galaxy Fold apresenta metade de uma tela defeituosa. Ele afirma não ter removido a película.

Em resposta ao The Verge, a Samsung afirmou que recebeu alguns relatos de incidentes envolvendo o display principal nas amostras dadas para a mídia e que vai investigar o que ocorreu nessas unidades. A empresa ainda lembra que alguns dos problemas envolvem analistas que removeram uma película protetora - nem todos que tiveram defeitos fizeram isso, contudo.

Nem todas as unidades dadas para testes, contudo, estão defeituosas. Evan Blass, conhecido por vazar informações de smartphones, aponta que existem mais unidades funcionando normalmente do que com defeito entre a comunidade de analistas que já recebeu o aparelho. Mesmo assim, os problemas entre as poucas unidades que viram a luz do dia causam preocupações.

Mistério até aqui

O Galaxy Fold era cercado de mistério até aqui. Apresentado com os novos Galaxy S10, o smartphone não contou com unidades para primeiras impressões de jornalistas, como ocorre em eventos do tipo.

Dobre-se: Com Galaxy Fold, Samsung inaugura uma nova era dos smartphones

Leia mais

Ele voltou a aparecer durante a Mobile World Congress, mas também longe das mãos humanas para testes: estava protegido por um casulo de vidro e apenas à mostra.

A Samsung apontou anteriormente que o novo Galaxy Fold havia passado por seus testes de resistência, sendo que um deles envolveu o smartphone ser aberto e fechado mais de 200 mil vezes. Isso equivale a cinco anos de uso do celular, caso ele seja aberto e fechado 100 vezes ao dia.

O aparelho começará a ser enviado para consumidores norte-americanos no dia 26 de abril, enquanto na Europa ele chegará em 3 de maio. Não há data ainda para que o celular chegue ao Brasil. Nos Estados Unidos, o primeiro lote de vendas do smartphone se esgotou logo no primeiro dia.