Topo

Tecnologia

EUA avaliam restringir venda de equipamentos de telecomunicações chineses nos EUA, diz Wall Street Journal

02/05/2018 15h53

WASHINGTON (Reuters) - O governo Trump está considerando medidas executivas para restringir a capacidade de algumas empresas chinesas de vender equipamentos de telecomunicações nos Estados Unidos, informou o Wall Street Journal nesta quarta-feira.

A medida, que se for implementada provavelmente afetará a Huawei Technologies Co e a ZTE Corp, duas das principais fabricantes de equipamentos de telecomunicações do mundo, baseia-se em preocupações de segurança nacional, disse o jornal, citando diversas pessoas familiarizadas com o assunto.

Os legisladores norte-americanos e o governo Trump pressionaram as empresas norte-americanas a não vender produtos da Huawei ou da ZTE, alegando que poderiam ser usados para espionar os norte-americanos. No começo do ano, eles pressionaram a AT&T a desistir de um acordo com a Huawei para vender seus smartphones nos Estados Unidos.

A Casa Branca não respondeu imediatamente a um pedido da Reuters para comentar o assunto. Representantes da Huawei e da ZTE não puderam ser contatados imediatamente para comentar, embora ambos tenham negado as alegações de que seus produtos são usados ​​para espionar.

Qualquer ação executiva viria na esteira de uma série de medidas dos EUA destinadas a impedir ou reduzir o acesso da Huawei e da ZTE à economia dos EUA, incluindo restrições recentes aos fornecedores norte-americanos da ZTE, em meio a alegações de que as empresas poderiam estar usando sua tecnologia para espionar os norte-americanos.

O Departamento de Defesa dos EUA já parou de vender telefones celulares e modems fabricados pelas empresas de tecnologia chinesas Huawei Technologies e ZTE Corp nas lojas em suas bases militares, citando possíveis riscos de segurança.

A partir de 25 de abril, o Pentágono ordenou que esses e outros produtos relacionados fossem removidos de suas lojas em todo o mundo, de acordo com o porta-voz do Pentágono, major Dave Eastburn.

"Esses dispositivos podem representar um risco inaceitável para o pessoal do Departamento e missão", disse Eastburn.

O Exército e a Força Aérea dos EUA possuem mais de 3.100 lojas em todo o mundo e também vendem produtos online para militares. A Navy Exchange possui mais de 300 lojas em todo o mundo, além de lojas a bordo de mais de 100 navios.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Newsletters

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero receber

Mais Tecnologia