UOL Notícias Notícias
 

09/12/2005 - 19h08

Ártico está especialmente exposto às mudanças climáticas

MONTREAL, Canadá, 9 dez (AFP) - A comunidade internacional reconheceu nesta sexta-feira que o Ártico e suas populações estão especialmente expostas às mudanças climáticas e se comprometeram a "considerar os problemas próprios" desta região em suas ações futuras.

Proposto pela Rússia, com o apoio de Estados Unidos, Canadá, França e Reino Unido, o texto destaca que as mudanças climáticas, somadas a outros fatores como a radiação ultravioleta, "desafia a saúde humana, a cultura e o bem-estar dos moradores do Ártico, inclusive as comunidades indígenas e põe em risco as espécies e ecossistemas" da região.

Este texto, adotado por unanimidade na conferência sobre o clima de Montreal, se apóia em conclusões do Estudo sobre o Impacto das Mudanças Climáticas no Ártico, fruto de quatro anos de pesquisas feitas por cientistas e os indígenas inuit.

Segundo suas conclusões, o aumento das emissões de gases causadores de efeito estufa contribuirá "dentro de cem anos a aumentar entre 4 e 7 graus, quase o dobro do aumento mundial" da temperatura no Ártico, ameaçando os 150.

000 inuit que vivem neste território.

O estudo deve servir para "informar aos governos" para "a implantação de políticas futuras sobre as mudanças climáticas".

Os países reunidos em Montreal também deverão "considerar os problemas próprios do Ártico" em seus esforços para implantar a Convenção sobre as Mudanças Climáticas, adotada em 1992, no Rio.

Os Estados Unidos, que assinaram o texto, não se somaram ao Protocolo de Kyoto, que prevê uma redução específica das emissões de poluentes nos países industrializados.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,02
    3,136
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,02
    75.974,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host