UOL Notícias Notícias
 

25/01/2006 - 13h23

China anuncia sétima morte humana causada pela gripe aviária

PEQUIM, 25 jan (AFP) - Uma mulher de 29 anos faleceu em conseqüência da gripe aviária, o que eleva a sete o número de mortes registradas na China por esta doença transmitida por contato com aves infectadas, anunciaram os meios de comunicação estatais.

O ministério da Saúde, citado pela agência oficial Nova China, afirmou que a mulher morreu recentemente, mas não precisou a data. No dia 12 de janeiro ela deu resultado positivo para o vírus H5N1.

A mulher, natural de Jinhua (sudoeste), estava hospitalizada na cidade de Chengdu, na província de Sechuán.

Em 12 de janeiro, ela apresentava febre e sintomas de pneumonia e seus exames deram positivo para o vírus mortal H5N1, informou a agência.

Na segunda-feira, o ministério da Saúde anunciou que ela estava em situação crítica e confirmou que era o 10º caso humano de gripe aviária no país.

Segundo a Nova China, o ministério está investigando a origem de sua infecção e tentando descobrir se há registro de casos da doença entre aves de criação de sua cidade.

A mulher foi a segunda vítima de gripe aviária da província de Sichuan. A primeira foi uma mulher de 35 anos residente na cidade de Jianyang, cuja morte foi informada em 18 de janeiro.

Outras mortes foram registradas nas províncias de Anhui, Jiangxi, Fujian e Guangxi.

A Organização Mundial da Saúde questionou os métodos de controle da gripe aviária na China depois da primeira morte registrada em Sichuan porque ocorreu em uma área onde focos entre aves de criação não foram informados.

A China, o maior produtor mundial de aves de criação, registrou mais de 30 focos de gripe aviária no país desde o começo de 2005. A forma humana da gripe aviária causou pelo menos 80 mortes no mundo desde seu surgimento na Ásia no final de 2003.

Desde que reapareceu no sudeste asiático em 2003, a cepa H5N1 infectou mais de 150 pessoas e matou cerca de 80 em seis países, a maioria na Ásia. Quatro mortes ocorreram na Turquia.

Cientistas temem que quanto mais o vírus se dissemine, maiores sejam as chances de que possa sofrer uma mutação para uma forma facilmente transmissível entre humanos, causando uma pandemia global com potencial para matar milhões de pessoas.

Na semana passada, durante uma conferência internacional sobre gripe aviária celebrada em Pequim, países e organizações se comprometeram em destinar 1,9 bilhão de dólares para o combate ao vírus em todo o mundo.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    0,40
    3,279
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,95
    63.257,36
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host