UOL Notícias Notícias
 

22/02/2006 - 16h49

Japão tem novo sucesso espacial com satélite de observação astronômica

=(FOTO)= TÓQUIO, 22 fev (AFP) - O Japão obteve nesta quarta-feira um terceiro sucesso espacial em menos de um mês ao lançar o pequeno foguete M-5, que pôs em órbita um satélite de observação astronômica, o Astro-F.

Este lançamento foi a culminância das recentes investidas do programa espacial japonês, após os lançamentos de sucesso, com alguns dias de intervalo, de outro foguete japonês, o H-24.

"Depois disto, penso que o programa de desenvolvimento espacial japonês está em uma órbita estável", comemorou o presidente da Agência de Exploração Espacial Japonesa (JAXA), Teichi Tachikawa.

"Penso que a partir de agora somo competitivos (no âmbito internacional)", acrescentou Tachikawa durante entrevista coletiva.

O lançamento do M-5 ocorreu, como previsto às 06H28 locais (18H28 de Brasília), do centro espacial de Uchinura (sul do Japão), informou a agência.

O procedimento havia sido adiado em 24 horas, devido a chuvas torrenciais. O satélite foi posto em órbita quinze minutos depois.

Chamado de Akari ("luz" em japonês), o satélite Astro-F está dedicado à observação astronômica das galáxias e dos planetas.

Este pequeno artefato, de 960 quilos, está equipado com um telescópio de 68,5 centímetros de diâmetro e de aparelhos de observação por radiação infravermelha.

O Astro-F vai girar na órbita da terra orientado para o céu em direção perpendicular à vertical Sol-Terra.

Precisará de seis meses para cobrir o conjunto do céu com seus instrumentos de observação para escrutar mais de dez milhões de galáxias.

O foguete M-5, por sua vez, foi desenvolvido a partir do fim dos anos 1990 e tem várias missões de sucesso em registro.

Em 2003, um M-5 enviou a sonda Hayabusa, que no fim de 2005 alcançou um asteróide, Itokawa, a 300 milhões de quilômetros da Terra para colher amostras de pó.

Na semana passada, a JAXA havia lançado um foguete H-24, que pôs em órbita o satélite MTSAT-2, especializado na gestão do tráfego aéreo e em previsões meteorológicas.

Em 24 de janeiro, outro H-24 havia transportado um satélite de observação avançada, o ALOS.

O programa da JAXA está muito carregado depois de um período inativo, devido ao fracasso espetacular de uma missão do H-24, em novembro de 2003. A JAXA teve que destruir o foguete em pleno vôo por causa de problemas técnicos.

O foguete de lançamento H-24 é um dos programas centrais da investigação espacial japonesa.

Graças aos sucessos acumulados há um ano, a JAXA volta a ter a esperança de competir com os foguetes de lançamento estrangeiros, em particular com o Ariane, para a colocação em órbita de satélites comerciais.

Por outro lado, o número um do mundo no lançamento de satélites comerciais, o Arianespace teve que adiar nesta terça-feira o lançamento de dois satélites europeus de telecomunicações que deviam ser postos em órbita do centro de lançamento de Kourou (Guiana), por causa de um problema técnico com o foguete Ariane 5.

Até agora, as missões da JAXA estão limitadas a projetos estatais ou de instituições públicas.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host