UOL Notícias Notícias
 

25/02/2006 - 10h12

Chirac defende setor avícola francês, após confirmação do vírus H5N1

=(FOTOS)= PARIS, 25 fev (AFP) - O presidente francês, Jacques Chirac, defendeu neste sábado o setor avícola nacional, ao afirmar que "não há perigo em consumir carne de aves e ovos", um dia depois da confirmação da primeira infecção em aves domésticas na União Européia (UE), em uma criação francesa.

Ao inaugurar o Salão da Agricultura em Paris, o chefe de Estado criticou "as conseqüências econômicas e sociais dessa espécie de pânico totalmente injustificável" que, segundo ele, começa a se espalhar.

Chirac, que teve uma reunião com autoridades veterinárias e do setor avícola francês, referia-se à queda de 25% a 30% no consumo de carne de frango na França em relação ao mesmo período de 2005, e aos cortes de funcionários em vários grupos industriais.

A isso se soma a decisão do Japão de suspender temporariamente as importações de aves francesas e produtos alimentícios associados, como o famoso foie-gras, muito apreciado nos mercados japonês e mundial.

Ontem, o Ministério da Agricultura francês confirmou a presença do vírus H5N1, da gripe aviária, em uma criação de aves no departamento de Ain (centro-leste da França), sendo esse o primeiro caso de contaminação doméstica registrado na UE.

A confirmação reforça a ameaça de a gripe aviária se propagar de aves selvagens para as domésticas na Europa. O Laboratório Nacional de Referência da AFSSA, Agência Francesa de Segurança Sanitária de Alimentos, confirmou a presença do vírus H5N1 - homólogo em 99% do vírus identificado no pato selvagem encontrado em Joyeux no último dia 18 - em uma criação de 11 mil perus contaminados em Versailleux (Ain). Quatrocentas aves da criação de Ain morreram na última quinta-feira por causa da doença.

O Ministério da Agricultura assinalou que "todos os perus (da criação) foram sacrificados, e as instalações estão sendo desinfetadas". Antes da confirmação do vírus H5N1, "as medidas de emergência já haviam sido reforçadas, por meio da ampliação da zona de vigilância para 160 municípios e da instalação obrigatória de pedilúvios nas áreas de proteção e vigilância".

"Está sendo realizado um estudo epidemiológico para descobrir como os perus, que não eram criados ao ar livre, foram contaminados", acrescentou o ministério.

Um terço do departamento onde está localizada a criação infectada tornou-se ontem área de vigilância, após a descoberta de cinco novos supostos casos de cisnes com gripe aviária. Na Alemanha, a presença do H5N1 foi confirmada hoje em um pato selvagem encontrado morto à beira de um lago no sul do país, perto da Suíça.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    14h10

    0,12
    3,269
    Outras moedas
  • Bovespa

    14h19

    -0,53
    63.745,10
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host