UOL Notícias Notícias
 

06/03/2006 - 17h19

Comandante iraquiano é morto por franco-atirador

Por Kamal Taha=(FOTOS)= BAGDÁ, 6 mar (AFP) - Um dos militares de mais alta patente do exército iraquiano foi morto a tiros nesta segunda-feira em Bagdá, que viveu mais um dia de violência. A sessão inaugural do Parlamento foi marcada para o próximo domingo, 12 de março, apesar das diferenças políticas.

O general Mubder Hatem Hdaya al-Dulaimi, chefe da 6ª Divisão, foi baleado na cabeça por um franco-atirador, quando viajava de carro por uma estrada do oeste da capital, informou uma fonte do Ministério do Interior.

Al-Dulaimi é o militar iraquiano de mais alta patente assassinado desde a queda do regime de Saddam Hussein, em abril de 2003. Ele comandava uma divisão de 10 mil homens, a mais importante e mais bem-armada do país, responsável pela segurança na capital.

Outras 18 pessoas foram assassinadas e 60, feridas, em ataques em várias partes do Iraque, sete deles com carros-bomba, informaram fontes policiais e hospitalares.

No atentado mais sangrento, sete civis morreram e 22 ficaram feridos na explosão de um carro-bomba em Baaquba, a 60km de Bagdá. Um grupo de curiosos havia se aproximado do corpo de um homem em um mercado de verduras, e quando a polícia chegou, um veículo estacionado nas proximidades explodiu.

Outros seis carros-bomba explodiram em diferentes bairros de Bagdá e região, matando quatro pessoas, entre elas dois policiais.

Um pai e seus dois filhos, funcionários xiitas de uma lanchonete, foram mortos a tiros em Hawiyah, 220km ao norte de Bagdá, ao mesmo tempo que um líder tribal sunita morreu na explosão de uma bomba, informou a polícia.

No campo político, o presidente iraquiano, Jalal Talabani, anunciou que a sessão inaugural do Parlamento fruto das eleições de dezembro será no próximo domingo. Talabani reiterou sua oposição à reeleição do atual primeiro-ministro, Ibrahim al-Jaafari, que segundo ele não tem unanimidade.

"Queremos que todos os grupos parlamentares apóiem o próximo primeiro-ministro, pois é necessário um governo de união nacional", destacou. "Nossa relação com a Aliança Unificada Iraquiana (AUI, xiita conservadores) é estratégica e profunda e buscamos uma solução que satisfaça ambas as partes. Estamos otimistas, chegaremos a uma solução", acrescentou.

Em fevereiro, a AUI, que conta com 128 deputados de 275, elegeu Jaafari (do partido xiita Dawa) como candidato ao cargo de primeiro-ministro durante uma votação na qual superou por um voto o candidato do Conselho Supremo da Revolução Islâmica no Iraque (principal partido xiita), o vice-presidente Adel Abdel Mahdi. Esta opção foi rejeitada pela Aliança Curda (53 assentos), pela Frente da Concórdia Sunita (44) e pelo partido do xiita laico Iyad Allawi (25).

Talabani criticou a imprensa por afirmar que Jaafari representa "a aspiração das ruas iraquianas".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,59
    3,276
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -1,54
    61.673,49
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host