UOL Notícias Notícias
 

18/07/2006 - 15h19

Parte da Europa sofre sob um calor "tropical"

=(FOTO+VIDEO)= PARIS, 18 jul (AFP) - Uma parte da Europa está sofrendo "temperaturas tropicais" que superaram os 30°C, transformando o metrô de Londres em uma fornalha. A Grã-Bretanha se preparava para enfrentar uma quarta-feira que poderá ser o dia mais quente de toda sua história.

Esta onda de calor já deixou pelo menos quatro mortos desde domingo, na Espanha e na França.

Os cientistas consideram que ocorre em conseqüência, mesmo sem que haja uma ligação direta estabelecida, do processo global de aquecimento do planeta e de "desregramento" do clima, o que pode se traduzir por mais verões muito quentes.

Na Alemanha, a quinta-feira poderá ser o dia mais quente do ano com uma temperatura recorde que pode bater os 38°C. Este mês de julho tem tudo para ser um dos mais quentes em um século, segundo os meteorologistas.

Na França, o calor afetava grande parte do país, principalmente o sudoeste e a região de Paris.

Em Bordeaux, onde a temperatura chegava a 38°C, um homem de 85 anos morreu após dar entrada no hospital e uma mulher de 81 anos faleceu em casa, anunciaram as autoridades locais. Os dois idosos, que já estavam doentes, foram vítimas de hipertermia.

Em Paris, o termômetro registrou 35°C. Moradores e turistas buscavam um ambiente mais ameno nos cinemas e lojas climatizadas, ou de maneira mais radical, se banhando nas fontes dos parques públicos.

Os ciclistas do Tour de France enfrentavam temperaturas abrasantes durante a etapa de 187 km entre Gap e Alpe d'Huez, nos Alpes, e suas temidas elevações.

As fortes ondas de calor lembram o verão de 2003, que deixou 30.000 mortos na Europa, cerca de 15.000 na França.

As autoridades públicas francesas, acusadas na época de não terem reagido rapidamente, aumentaram os alertas. Hospitais, serviços de urgência e asilos estão preparados para o pior.

Do outro lado da Mancha, os britânicos também se sentiam sufocados pelo calor. Londres, pouco habituada às altas temperaturas, registrou 33°C.

O metrô da capital, o mais velho do mundo, foi transformado em uma fornalha de 47°C. Nos ônibus da City (centro de Londres), sem ar-condicionado, a situação era ainda pior: 52°C.

A meteorologia britânica prevê 37°C para a quarta-feira no sudeste, batendo os 39° em algumas regiões, o que significaria um recorde absoluto para o país.

A temperatura mais elevada já registrada na Grã-Bretanha é de 38,5°C, no Kent no dia 10 de agosto de 2003.

Na Espanha, o calor causou duas vítimas. Um homem morreu no domingo em Múrcia (sul), e um outro de 44 anos que trabalhava sob o sol quente morreu na segunda-feira em um hospital de Ourense, na Galícia (norte).

Sete regiões, no norte e no sul, estavam em alerta vermelho ou laranja. As temperaturas chegavam aos 42°C à sombra em Córdoba e Jaen (Andaluzia, sul).

Na Bélgica, o Instituto Real Meteorológico anunciou "temperaturas tropicais" de 29 a 33°C, com picos de 35°C em Campine (norte). Na Holanda, a temperatura supera os 30°C há mais de três dias.

A Itália registra em 2006 uma das maiores secas em 30 anos, advertiu o sindicato agrícola Coldiretti. Segundo suas estimativas, em 6 de julho, o Lago Maggiore (norte) chegou ao seu nível mais baixo de todos os tempos.

Na República Tcheca, as temperaturas podem chegar a 36°C neste final de semana.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,02
    3,136
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,02
    75.974,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host