UOL Notícias Notícias
 

05/11/2006 - 20h55

Eleições nos Estados Unidos caminham para um final apertado

=(FOTOS)=ATENÇÃO: Atualiza WASHINGTON, 5 nov (AFP) - Novas pesquisas divulgadas nos Estados Unidos revelam que os republicanos estão ganhando terreno pouco antes das eleições legislativas, da próxima terça-feira - mesmo que o especialista independente Charlie Cook tenha estimado que só um "milagre" poderá salvar o Partido Republicano de Bush de derrota na Câmara de Representantes. Segundo ele, a perda de controle do Senado também é uma possibilidade, embora menos provável.

Uma pesquisa divulgada neste domingo revela que o partido republicano começa a avançar, praticamente a dois dias das legislativas, para as quais os democratas apareciam como claro favoritos.

Na reta final, o presidente Bush pode capitalizar também a decisão deste domingo do tribunal iraquiano de condenar Saddam Hussein à morte - o que pode significar, para alguns eleitores, uma evidência de progresso no país árabe, centro de atenção da campanha eleitoral americana. Cerca de 200 milhões de eleitores decidirão terça-feira o destino dos 435 assentos da Câmara dos Representantes e de 33 das 100 cadeiras do Senado, além de se pronunciarem sobre inúmeras decisões locais.

Os democratas devem conquistar pelo menos 15 assentos na Câmara para reassumir o controle da Casa, o que não acontece há 12 anos.

No Senado, o número mágico é de seis cadeiras, de conquista difícil, no entanto.

As pesquisas das últimas semanas concediam entre 11 e 18 pontos de vantagem à oposição democrata. Mas, agora, a diferença aparece reduzida de forma sensível.

A sondagem Washinton Post-ABC, de 1º a 4 de novembro concede vantagem de seis pontos aos democratas, que obteriam 51%, contra 45% dados aos republicanos, em contraste com as diferenças de dois dígitos que apareciam nas últimas semanas.

Em outubro, os democratas lideravam com 55% contra 41%.

O independente Pew Research Center, que se especializa em estudos de opinião pública, dá hoje vantagem de quatro pontos para os democratas (47% contra 43%), em contraste com os 50% contra 39% de há duas semanas. Segundo a sondagem Washington Post/ABC, a guerra no Iraque é a preocupação maior dos que vão votar nos democratas (73% deste total de eleitores), enquanto que a "guerra contra o terrorismo" representa a questão mais importante dos que vão escolher os republicanos (77%), segundo a pesquisa.

Bush visita 10 estados nestes últimos dias para impulsionar candidaturas de correligionários.

O presidente que anunciou não ter nenhuma intenção de demitir o impopular secretario de Defesa, Donald Rumsfeld, tenta motivar seus partidários fazendo uma caricatura de seus adversários: "o enfoque democrata no Iraque se resume desta forma: os terroristas ganham, os Estados Unidos perdem".

Na realidade, tanto os democratas quando a Casa Branca trocam as mesmas acusações sobre o Iraque.

Eles se acusam mutuamente "de não ter um plano" específico para ganhar, num momento de muitas baixas sofridas pelo Exército americano no Iraque. Somente em outubro, 104 militares foram mortos em território iraquiano.

No plano econômico, a Casa Branca recebeu um conjunto de dados positivos, com déficit orçamentário em baixa, desemprego diminuindo (4,4% da população economicamente ativa) e Wall Street em fase de crescimento, apesar da queda da semana passada.

Os democratas, que fizeram do aumento do salário mínimo uma de suas principais promessas de campanha, falam da redução do ritmo de crescimento e destacam, sobretudo, a estagnação da renda da classe média.

Segundo pesquisa da revista Newsweek, os opositores inspiram mais confiança do que os republicanos para administrar a economia (47%, contra 34%).

No entanto, os democratas desconfiam das efetivas redes conservadoras, que podem privá-los de uma vitória no último momento.

Mas eles esperam também que um recente escândalo sexual no Congresso e as comprometedoras revelações sobre um influente pastor evangélico acusado de adultério homossexual, desencorajem os eleitores da direita religiosa sobre o valor de apoiar a atual maioria.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h09

    -0,57
    3,264
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h16

    1,13
    63.941,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host