UOL Notícias Notícias
 

22/02/2007 - 19h19

Lancet elogia China por mudança de política pública para a Aids

PARIS, 22 fev (AFP) - A China enfrentou com firmeza o desafio de combater a Aids graças a uma mudança no pensamento político e a um conjunto de programas que atacaram a infecção pelo HIV na origem, ressalta um artigo que será publicado na edição desta sexta-feira da revista científica "The Lancet".

O artigo, assinado por cinco estudiosos - chineses e ocidentais especializados em saúde pública - pode ser considerado um raro elogio a Pequim por parte de uma revista médica respeitada.

Ele destaca o programa do governo para usuários de drogas, que inclui a substituição de agulhas e o uso de metadona, campanhas de sexo seguro para gays, testes de HIV rotineiros para populações de risco e remédios gratuitos para pessoas infectadas pelo vírus da Aids.

"Estes programas surgiram de um processo de diálogo longo e gradual e da colaboração entre autoridades de vários níveis de governo, pesquisadores, prestadores de serviço e políticos", ressalta o artigo.

O primeiro caso de Aids na China foi identificado em 1985, num turista em estado terminal. Em 1989, foram detectados os primeiros casos em chineses, envolvendo 146 usuários de heroína na província de Yunnan.

Os autores dizem que a resposta inicial da China foi tentar conter e isolar os casos de Aids, mas esta política falhou ao encorajar as pessoas com HIV a esconderem a doença.

A virada na política pública chinesa sobre Aids aconteceu em 1997, durante um seminário que reuniu especialistas em saúde americanos e chineses e representantes de agências internacionais de saúde, acrescenta o documento.

Este encontro ajudou a China a adotar uma política pública de encorajamento no lugar da coerção. Além disso, as campanhas passaram a tratar a doença do ponto de vista científico e não moral, como vinha sendo feito até então.

Outra inflexão na política chinesa para a Aids aconteceu em 2003, quando o Presidente Hu Jintao comprometeu-se na luta contra a Aids e o primeiro-ministro Wen Jinbao apertou a mão publicamente de pacientes com Aids no Dia Mundial da Aids. O artigo se baseia nas estatísticas oficiais - consideradas subestimadas por alguns especialistas - de 650.000 casos de HIV na China no final de 2005. No final de 2006, 30.640 pacientes recebiam gratuitamente drogas anti-retrovirais.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    10h29

    -0,11
    3,263
    Outras moedas
  • Bovespa

    10h39

    0,34
    62.873,38
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host