UOL Notícias Notícias
 

19/03/2007 - 15h25

Rios em perigo: 870 milhões de asiáticos na primeira linha (relatório da WWF)

GENEBRA, 19 mar (AFP) - Cinco rios da Ásia, dos quais dependem mais de 870 milhões de pessoas, estão entre as dez bacias hidrográficas mais ameaçadas do mundo, segundo um relatório do Fundo Mundial para a Natureza (WWF), publicado nesta terça-feira.

Na Ásia, os rios Yangtzé, Mekong, Salouen, Gange e Indus estão em perigo. Na Europa, o Danúbio é o mais ameaçado, na América Latina são o Rio da Prata e o Rio Grande/Rio Bravo, na África o Nilo e o Lago Vitória, e na Austrália o rio Murray-Darling.

"Devido a um planejamento ruim e a uma proteção insuficiente das áreas naturais, não podemos ter certeza de que a água dos rios continuará a correr", advertiu o relatório da WWF publicado por ocasião do Dia Mundial da Água, 22 de março.

Se nada for feito, "haverá cada vez mais conflitos para ter acesso à água", prevê Jamie Pittock, diretor do Programa Global da WWF para a água doce.

A utilização excessiva de suas águas para a agricultura e o consumo humano "ameaça secar completamente o Rio Grande e o Gange", afirmou a WWF.

O Indus, já vítima de retiradas excessivas, está ameaçado pelo aquecimento climático por causa de sua dependência das águas provenientes dos glaciares himalaias. Da mesma forma, a alta das temperaturas tem "efeitos potencialmente devastadores para a pesca, as reservas de água e a paz na região africana árida do Nilo-Lago Vitória", advertiu a WWF.

O Mekong é vítima da pesca excessiva enquanto que o Yangtzé é asfixiado pela poluição provocada pela industrialização massiva ao longo de seus rios.

Para o Rio da Prata, o Danúbio e o Salouen (um rio que começa no Tibete e se dirige para o mar em Mianmar), as maiores ameaças são as barragens e os projetos de infra-estrutura para a navegação.

A organização de defesa da natureza aconselha um estudo cuidadoso da situação antes de iniciar os trabalhos de infra-estrutura e sugere que seria melhor o transporte por rail em vez da navegação no Danúbio.

"Como os governos estão preocupados com a diminuição dos recursos de água por causa da mudança climática, eles começaram a construir cada vez mais barragens para estocá-la, o que retira ainda mais águas dos rios e cria mais problemas ecológicos", advertiu Pittock.

Da mesma forma, "muitos governos querem construir centrais hidroelétricas para terem fontes de energia própria, o que bloqueia os cursos de água e mata os peixes", continuou ele.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host