UOL Notícias Notícias
 

28/03/2007 - 13h39

OMS dá sinal verde para a circuncisão como estratégia de prevenção da Aids

PARIS, 28 mar (AFP) - A circuncisão, que permite reduzir a transmissão sexual do vírus da Aids (HIV) da mulher para o homem, deve fazer parte das estratégias de prevenção dessa doença, segundo as recomendações de especialistas divulgadas nesta quarta-feira pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pela OnuAids.

De acordo com a OMS e com a agência das Nações Unidas especializada na doença, milhões de vidas poderiam ser salvas, em particular na África Negra, se a circuncisão se generalizasse, com a condição de que os serviços de saúde sejam reforçados e que, em particular, os homens circuncidados não adotem comportamentos de risco acreditando estar 100% protegidos.

As conclusões e recomendações são resultado de uma consulta internacional organizada de 6 a 8 de março na Suíça.

De acordo com três estudos realizados na África, no Quênia, Uganda e África do Sul, a circuncisão diminui em 60% os riscos de infecção pelo vírus da Aids (HIV).

A demonstração da eficácia da circuncisão é "um marco na história da prevenção do HIV", segundo a OMS e a OnuAids.

Seu impacto será maior onde a infecção pelo HIV transmitido heterossexualmente é mais freqüente onde poucos homens são circuncidados, segundo a OMS.

"Estas recomendações representam um passo à frente na prevenção do HIV", declarou o Dr. Kevin De Cock, diretor do departamento de HIV/Aids à OMS. "No entanto, é preciso esperar alguns anos para se observar um efeito positivo desta estratégia contra a epidemia", prevê. Ela deverá beneficiar mais as zonas de hiperendemia, ou seja, onde a freqüência ("prevalência") da infecção na população total ultrapassa 15%, com a propagação do vírus principalmente heterossexual, e onde mais de 80% dos homens não são circuncidados.

As vantagens também serão consideráveis nas zonas de epidemia generalizada (prevalência na população de 3% a 15%), com relativamente poucos homens circuncisos, segundo especialistas.

Entretanto, insistem, "a circuncisão não protege completamente o homem".

É uma medida a mais, que deve estar entre as medidas preventivas (preservativos, etc).

Hoje, 665 milhões homens são circuncisos, ou seja, 30% da população masculina mundial, segundo estimativas.

A ética proíbe evidentemente que seja exercida qualquer tipo de pressão ou que se torne obrigatória esta cirurgia, que deve ser realizada em boas condições de higiene.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host