UOL Notícias Notícias
 

02/04/2007 - 13h21

Selo EMI abre seu catálogo na internet através do iTunes da Apple

Por Damien Steffan LONDRES, 2 abr (AFP) - A empresa fonográfica britânica EMI anunciou nesta segunda-feira que os temas de seu amplo catálogo musical estarão disponíveis para compra no site iTunes da Apple sem proteção anticópia, o que permitirá aos consumidores trocarem canções entre diferentes reprodutores de música digital.

As músicas que poderão ser baixadas terão melhor qualidade de som e não contarão com o sistema "digital rights management" (DRM), utilizado para combater a pirataria, acrescentou a EMI, terceira companhia fonográfica do mundo.

Mas o acordo só abrange o atual catálogo digital da EMI e deixa de fora, portanto, as canções dos Beatles, que ainda não podem ser baixadas legalmente na internet.

No entanto, a EMI informou que trabalha para incluir os Beatles no catálogo do iTunes, que segundo sua proprietária, a Apple, é a loja de música digital mais popular do mundo.

Além de combater a pirataria, a tecnologia DRM restringe a cópia de música comprada legalmente em lojas on-line, inclusive a transferência de canções de computadores para reprodutores de arquivos MP3 e telefones celulares.

"A venda de música digital sem DRM é o passo adequado para a indústria da música", disse nesta segunda-feira, em entrevista coletiva celebrada em Londres, o diretor-executivo da Apple, Steve Jobs.

A EMI, que tem entre seus contratados artistas como Madonna, Norah Jones e Robbie Williams e grupos como Rolling Stones e Coldplay, acrescentou em um comunicado que a decisão foi tomada em resposta ao pedido dos consumidores de acesso a uma música digital de alta qualidade que possa ser usada em todos os reprodutores.

Eric Nicoli, diretor-executivo da EMI, foi consultado por um jornalista sobre quando as canções dos Beatles estarão disponíveis no iTunes.

"Estamos trabalhando nisso, ainda não há calendário", respondeu Nicoli. "Esperamos que em breve", acrescentou.

A Apple Inc. e os Beatles fizeram um acordo este ano sobre uma longa disputa de direitos de propriedade pelo uso da "Apple" como nome e logo, o que despertou a esperança de que em breve fosse possível baixar legalmente da internet a música dos quatro músicos de Liverpool.

O enorme catálogo de canções dos Beatles, inclusive "Let it Be," "Hey Jude" e "Come Together", está vetado em sites legais de download, apesar dos protestos da EMI, que é proprietária de seus direitos de gravação.

Por outro lado, Nicoli sustentou que o download livre de DRM ajudaria a EMI a gerar um quarto de seus lucros na internet até 2010.

"Este acordo fará com que nossa música seja mais acessível e aumentará os ganhos", sustentou.

A EMI foi capa dos jornais em meses recentes, após rejeitar uma fusão com a rival americana Warner Music Group e de ter publicado duas advertências de benefícios desde o começo do ano.

A empresa fonográfica britânica luta contra a diminuição na venda de álbuns compactos nos Estados Unidos, o que também a levou a recompor seu diretório.

A oferta da Warner, feita no início de março, avaliou a EMI em 2,08 bilhões de libras (3,07 bilhões de euros, 4,05 bilhões de dólares).

A ação da EMI subiu 0,33% na Bolsa de Londres esta tarde, a 228,25 pence.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host