UOL Notícias Notícias
 

02/05/2007 - 23h47

Descobertas abrem caminho para novos tratamentos do mal de Alzheimer

SAN FRANCISCO, 2 mai 2007 (AFP) - Promissoras descobertas sobre a redução da produção de uma importante proteína cerebral nos ratos podem levar a novos tratamentos para o mal de Alzheimer, de acordo com cientistas americanos que publicam sua pesquisa na revista "Science".

O Instituto Gladstone de Medicina Neurológica de San Francisco descobriu que uma redução das proteínas Tau, marcador bioquímico da degeneração neurofibrilar e importante no transporte de substâncias químicas através da célula, pode impedir as perdas de memória e outros sintomas da doença.

Os resultados destas pesquisas podem levar a tratamentos complementares nos casos mais comuns de demência.

"Parece que a redução da proteína Tau tem um efeito protetor sobre o cérebro", afirmou o diretor do Instituto Gladstone, Lennart Mucke, que coordenou o trabalho.

Os pesquisadores reduziram pela metade a produção de proteína Tau no cérebro de ratos, desativando um gene produtor desta proteína. Em outros ratos, toda a produção da proteína Tau foi eliminada.

Descobriu-se, então, que uma taxa reduzida de proteína Tau permitiria aos ratos com Alzheimer viver normalmente, além de torná-los menos vulneráveis às crises de epilepsia.

O mal de Alzheimer é uma demência progressiva com origens ainda desconhecidas e caracterizada por problemas de memória, na fala e perda das funções intelectuais.

Ainda incurável, esta doença mata no prazo de cinco a dez anos. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 28 milhões de pessoas seriam vítimas de demência, sendo o Alzheimer a forma mais disseminada.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host