UOL Notícias Notícias
 

11/05/2007 - 19h06

Jovem armado mantém nove reféns na embaixada da Rússia em San José (oficial)

=(FOTOS)= SAN JOSE, 11 maio 2007 (AFP) - Oito funcionários da embaixada russa em San José e uma outra pessoa permanecem em poder de um jovem armado originário da ex-república soviética do Quirguistão, informou um porta-voz da Polícia Judiciária.

Segundo uma testemunha - um cidadão russo ouvido pela televisão local - o embaixador Valery Nikolaenko estaria entre os reféns. Afirma também que o jovem de 17 a 20 anos foi identificado como Roman Bordayan.

Allan Fonseca, que integra a equipe de negociadores do Organismo de Investigação Judicial (OIJ), contou que outras cinco pessoas já deixaram o prédio, mas que não faziam parte do grupo de reféns.

Segundo Fonseca, "até o momento não há um motivo oficial para justificar o seqüestro", que ocorreu às 12H30 local (15H30 Brasília), quando o jovem entrou na embaixada russa supostamente para renovar seu passaporte.

Já a imprensa local afirma que o jovem exige 50 mil dólares para libertar os reféns.

Ao que parece, a arma utilizada para o seqüestro foi tomada de um segurança da embaixada.

Allan Fonseca disse que o processo de negociação "foi iniciado" e que "todos estão muito atentos para que a situação não piore".

Policiais fortemente armados fecharam o acesso à embaixada, situada no bairro "Escalante", na zona leste da capital, constatou um correspondente da AFP. A eletricidade foi cortada no setor para limitar as comunicações.

O governo estabeleceu um comando de crise integrado por funcionários dos ministérios da Presidência, Segurança Pública e Procuradoria Geral.

Segundo a rede de TV local, a família do jovem foi vítima de um golpe pela Internet por parte de um cidadão russo, que teria vendido uma fazenda na Costa Rica que já tem dono.

A imprensa de San José afirma que o jovem seqüestrador vive na Costa Rica há um ano, é apaixonado por informática e pertence a uma família humilde residente em San José.

A capital da Costa Rica já havia sido palco de violência contra uma representação diplomática. No dia 27 de julho de 2004, um policial encarregado da segurança da embaixada do Chile matou três funcionários antes de se suicidar por causa de um conflito pessoal com empregados da delegação.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host