UOL Notícias Notícias
 

13/05/2007 - 18h57

Até 2050, mudança climática provocará 1 bilhão de emigrantes

LONDRES, 13 maio 2007 (AFP) - Pelo menos 1 bilhão de pessoas vão emigrar até 2050, como conseqüência do aquecimento global que agravará os conflitos e as catástrofes naturais atuais, além de criar novas, adverte uma organização humanitária britânica.

Em seu relatório "Maré humana: a verdadeira crise migratória", a ser publicado nesta segunda-feira, a organização Christian Aid lança uma "advertência sem rodeios sobre o ritmo acelerado dos deslocamentos de população no século XXI".

"A quantidade de pessoas que deixaram suas casas por causa dos conflitos, das catástrofes naturais e dos grandes projetos de desenvolvimento (minas ou represas) já é surpreendentemente elevada, algo em 163 milhões", segundo estimativas da própria ONG.

Além disso, "no futuro, as mudanças climáticas a farão subir ainda mais", afirma a organização, que pede uma "ação urgente" da comunidade internacional para tomar "fortes medidas de prevenção".

O grupo avalia ainda que "no ritmo atual, 1 bilhão de pessoas se verão forçadas a deixar suas casas até 2050". Assim, completa o texto, a mudança climática terá como conseqüência uma intensificação dos fatores atuais de migração forçada e acelerará a "crise migratória emergente".

"Estimamos que a migração forçada é, agora, a ameaça maior para as populações pobres nos países em desenvolvimento", disse em um comunicado John Davison, um dos autores do informe.

A Christian Aid, criada para ajudar os refugiados da Segunda Guerra Mundial, publica este documento em coincidência com sua 50ª coleta anual de fundos nas Ilhas Britânicas. A ONG espera arrecadar 15,5 milhões de libras (22,7 milhões de euros, ou 30,7 milhões de dólares).

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    13h49

    0,39
    3,170
    Outras moedas
  • Bovespa

    13h51

    0,42
    74.755,85
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host