UOL Notícias Notícias
 

16/05/2007 - 18h28

Revelações de chefe paramilitar atingem em cheio governo colombiano

BOGOTÁ, 16 mai 2007 (AFP) - A delação do ex-líder paramilitar Salvatore Mancuso caiu como uma bomba sobre o governo colombiano, envolvendo o vice-presidente e um ministro com organizações de ultradireita, e promete respingar em outros dirigentes e militares.

O escândalo parece confirmar a tese de que o Estado apoiou estes grupos.

Mancuso, líder das dissolvidas Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC), continuou nesta quarta-feira seu depoimento à Procuradoria, depois de ter revelado ontem que, no passado, reuniu-se com o vice-presidente Francisco Santos e o ministro da Defesa Juan Manuel Santos, que são primos.

Esses encontros ocorreram, quando os envolvidos não eram funcionários públicos, de acordo com a declaração divulgada na audiência em Medellín (noroeste).

Segundo Mancuso, o vice-presidente pediu a ele para criar um grupo paramilitar em Bogotá, enquanto que o ministro lhe propôs integrar uma coalizão junto com as guerrilhas de esquerda para derrubar o presidente Ernesto Samper (1994-98), cuja campanha eleitoral foi financiada por narcotraficantes.

O ministro admitiu hoje dois encontros com o chefe paramilitar assassinado Carlos Castaño em 1997, mas garantiu que foram para tentar um acordo de paz com todos os grupos ilegais, enquanto que o vice-presidente se mantinha em silêncio. O presidente Alvaro Uribe defendeu a inocência de ambos.

Na semana passada, o vice-presidente reconheceu ter tido três encontros com chefes das AUC (acusadas de terem cometido mais de 9.000 homicídios), esclarecendo que foram por razões de seu trabalho como jornalista e líder de uma associação de vítimas do seqüestro.

"Se esta é a verdade que o senhor Mancuso pretende revelar, o país ficará muito decepcionado", afirmou o ministro, enquanto Samper reiterou que Santos conspirou contra ele.

Uribe manifestou "toda a confiança no moral" de ambos os funcionários, "em sua probidade" e na de todos os membros do governo, que "olha as declarações de Mancuso com toda a tranqüilidade" e "defendendo que se diga a verdade".

Em janeiro, Mancuso já tinha admitido que ordenou o assassinato de 338 pessoas, promoveu a eleição dos dois últimos presidentes e infiltrou seus homens nos organismos de segurança.

Na audiência de terça-feira, Mancuso contou que, nos anos 90, recebeu o apoio dos generais do Exército Iván Ramírez, Rito Alejo del Río e Martín Carreño, que estão na reserva, em duas regiões do norte, onde as AUC mataram centenas de civis acusando-os de cooperar com a guerrilha.

Disse ainda que o ex-chefe de polícia Roso José Serrano, atual embaixador na Áustria, aliou-se com um chefão da cocaína para conseguir a libertação de Juan Carlos Gaviria, irmão do ex-presidente César Gaviria (1990-1994), seqüestrado em 1996. "O paramilitarismo era uma política de Estado", declarou Mancuso.

A delação deste rico pecuarista de origem italiana põe fogo no escândalo da "parapolítica", que já levou para a cadeia 12 congressistas (incluindo 11 aliados de Uribe). Dois deputados estão foragidos e outros 15 políticos foram detidos na segunda por supostos vínculos com a ultradireita.

Mancuso prometeu revelar os nomes de todas as pessoas e empresas que apoiaram as AUC e, neste contexto, antecipou os de três bananeiras dos Estados Unidos, uma relação que levou ao assassinato de sindicalistas.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,84
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,35
    68.594,30
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host