UOL Notícias Notícias
 

05/07/2007 - 17h39

Líder da esquerda colombiana pede ao partido firmeza contra Farc

BOGOTÁ, 5 jul 2007 (AFP) - O senador Gustavo Petro, considerado o mais influente da esquerda colombiana, pediu nesta quinta-feira ao seu partido, o Pólo Democrático, que assuma uma posição clara e contundente contra a guerrilha das Farc e anunciou que apresentará provas de laços de políticos com esse grupo armado.

"As Farc devem entender que nenhum militante da esquerda democrática da Colômbia e do mundo os apoiará, se continuarem sua marcha de violência e de morte", disse Petro, um firme opositor do presidente Alvaro Uribe, em carta ao chefe do Pólo, o ex-magistrado Carlos Gaviria.

A carta foi divulgada pouco antes do começo de um dia nacional de protesto contra os seqüestros que abalam o país, deflagrado pela morte de 11 ex-deputados regionais mantidos como reféns pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), anunciada há uma semana por esse grupo.

O senador pediu que o protesto dos colombianos desta quinta-feira não seja usado com "fins proselitistas ou oportunistas, como pretende fazer o presidente (Alvaro) Uribe, co-responsável soberbo pelo massacre por sua intolerância e falta de humanismo".

Petro acrescentou que o Pólo deve pedir a composição de uma missão de observação da Corte Penal Internacional para que investigue casos como a morte destes reféns.

De acordo com a carta, o senador, que fez vários debates para mostrar ligações de aliados do governo do presidente Alvaro Uribe com grupos paramilitares de extrema direita, também se propõe a revelar no Congresso os laços entre políticos e guerrilheiros das Farc, especialmente no departamento de Caquetá (sudeste).

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h19

    -0,59
    3,264
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h24

    0,91
    63.799,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host