UOL Notícias Notícias
 

21/08/2007 - 12h47

ONU denuncia os crimes de guerra e contra humanidade em Darfur

GENEBRA, 21 Ago 2007 (AFP) - Militares e milicianos do governo sudanês podem ser jugaldos pelo Tribunal Penal Internacional por crimes de guerra e contra humanidade, cometidos durante ataques em dezembro na região de Deribat, em Darfur, segundo um informe da ONU publicado nesta terça-feira.

Durante esses ataques, cerca de 50 mulheres de 25 a 40 anos foram seqüestradas e detidas durante aproximadamente um mês como escravas sexuais por parte de membros do exército sudandês e paramilitares, segundo o informe do Alto Comissariado para os Direitos Humanos da ONU, que completa uma primeira investigação publicada no mês de abril.

"Se as violações e escravidão sexual fazem parte dos ataques em massa ou sistemáticos contra civis, (essas formas de violência sexual) podem constituir um crime contra a humanidad e potencialmente são competência do Tribunal Penal Internacional", assinalou o informe.

O Alto Comissariado rejeitou os argumentos do governo sudanês, que assegurou, para desculpar-se, que a região de Deribat não está sob seu controle.

A investigação da ONU destaca igualmente que as Forças da Defesa Popular (PDF), citadas como parte integrante dos atacantes, são consideradas legalmente uma "força paramilitar" sob a autoridade do exército.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h39

    0,23
    3,274
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h47

    1,29
    63.468,33
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host