UOL Notícias Notícias
 

11/12/2008 - 18h18

Chávez assina lista em defesa da emenda constitucional que garante a reeleição

CARACAS, 11 dez 2008 (AFP) - "Os que quiserem pátria, os que quiserem ser livres e os que quiserem felicidade venham comigo", pediu nesta quinta-feira o presidente Hugo Chávez, primeiro venezuelano a assinar um documento em defesa da aprovação de emenda constitucional que garante a reeleição presidencial por tempo ilimitado.

Ao meio-dia, junto à estátua do Libertador Simón Bolívar e cercado de centenas de simpatizantes, Chávez deu início à coleta simbólica de assinaturas para validar a modificação do artigo 230 da Constituição de 1999.

"Estou aqui como qualquer outro cidadão para assinar. Coube a mim ser o primeiro e me sinto muito feliz, porque isso nunca aconteceu na Venezuela", declarou à AFP.

A Assembléia Nacional (Parlamento), dominada pelo partido oficial, ficará encarregada de aprovar a proposta de emenda e apresentá-la à autoridade eleitoral que, por sua vez, a submeterá a referendo, provavelmente em fevereiro ou março de 2009.

"Juridicamente, a iniciativa é da Asamblea Nacional, mas politicamente saiu da alma do povo, do ventre do povo", assegurou Chávez.

Se esta emenda for aprovada, o presidente, que chegou ao poder depois de ganhar as presidenciais de 1998 e foi reeleito em 2006, poderá apresentar novamente a candidatura às eleições de 2012. Atualmente, a Carta Magna limita os mandatos presidenciais a dois.

"Estou pronto para governar estes quatro anos e outros seis", garantiu Chávez.

Minutos depois, centenas de venezuelanos em todas as praças Bolívar do país começaram a assinar a proposta, ao compasso de: "Uh, ah, Chávez no se va!".

Surpreendidos pela visita inesperada de Chávez na histórica praça Bolívar, os participantes não pouparam demonstrações de carinho e júbilo. "Chávez te amamos", "Chávez para sempre", gritavam.

"Esta emenda é o começo do país que quero. É a mudança", afirma convencido Lichelli Ríos, um funcionário do governo.

"Vamos ganhar este referendo, a emenda vai passar. Quem votou em Chávez em 2006, voltará a fazê-lo agora", comentava a dona de casa Yamila López.

O Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) arrancou com força nesta nova campanha. Milhares de camisetas, bonés e cartazes distribuídos entre a população pedem a aprovação da emenda e asseguram que "Chávez fica".

Nos canais oficiais de rádio e televisão, a publicidade multiplica. "Eleger é seu direito", repetem os anúncios.

"Quem se perpetua no poder é o imperialismo. Tenho um plano para que alguém se perpetue no poder: é o povo venezuelano", acrescentou Chávez para a AFP, defendendo-se dos que o acusam de querer "eternizar-se" na presidência.

A oposição iniciou campanha paralela contra a emenda, recordando que a questão da reeleição presidencial por tempo ilimitado já foi apresentada aos cidadãos em 2007 num projeto de reforma constitucional mais ampla que foi rejeitado em referendo.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host