UOL Notícias Notícias
 
19/12/2009 - 09h37

Irã aumenta preço da gasolina como parte de "cirurgia econômica"

TEERÃ, 19 dez 2010 (AFP) -O governo iraniano decidiu aumentar consideravelmente, a partir deste domingo, o preço da gasolina como parte de um plano vasto que pretende suprimir, progressivamente, as subvenções a produtos energéticos e de primeira necessidade, anunciou a TV estatal.

Segundo o comunicado oficial, o preço da cota de 60 litros de gasolina por mês para cada motorista passa de 0,10 dólar o litro para 0,40 dólar.

Acima desta cota, os motoristas terão que pagar o litro da gasolina a um preço de 0,70 dólar, ao invés do 0,40 dólar de antes.

Desta forma, o preço da gasolina subsidiada quadruplica, enquanto o preço da não subvencionada aumenta 75%.

O preço do óleo diesel tem um aumento ainda mais expressivo, passando de 0,0165 a 0,150 dólar.

Como parte do plano, o preço da energia elétrica, gás, querosene, assim como água e pão, terão aumentos progressivos.

As informações foram divulgadas depois de um discurso exibido na televisão do presidente Mahmud Ahmadinejad, que anunciou a aplicação a partir deste domingo de um plano econômico que chamou de "cirurgia econômica".

O plano pretende suprimir progressivamente os subsídios diretos dos principais produtos energéticos e de certos produtos alimentares.

Centenas de motoristas correram para os postos de gasolina para tentar encher os tanques.

O plano entrou em vigor à meia-noite de domingo.

"Tudo está pronto. Os comunicados foram preparados e serão divulgados", anunciara Ahmadinejad na noite de sábado.

Em uma tentativa de acalmar a população, o governo informou na tarde de sábado a atribuição de uma cota "excepcional" de 50 litros de gasolina a cada motorista ao preço subvencionado de US$ 0,10.

Segundo as estimativas oficiais, os subsídios dos produtos de energia e de primeira necessidade custam atualmente 100 bilhões de dólares anuais aos cofres do Estado, que decidiu sanear suas finanças.

Para compensar o aumento dos preços, o governo começou a reverter parte das economias esperadas em forma de ajuda direta à população.

Segundo as estatísticas de Teerã, 60,5 milhões de iranianos (de 74 milhões) receberam 810.000 rials (74 dólares) em suas contas bancárias. A quantia deve ser depositada a cada dois meses, o que representa um custo de 2,5 bilhões de dólares mensais para o orçamento do Estado.

Ahmadinejad prometeu dobrar a quantia.

O projeto de acabar com as subvenções, aprovado com dificuldade pelo Parlamento em janeiro, depois de meses de batalha contra o Executivo, divide o campo conservador que governa o Irã.

Líderes políticos e religiosos temem um efeito econômico e social devastador, sobretudo altas da inflação e do desemprego, quando as sanções internacionais começarem a afetar a economia do país.

Mas Ahmadinejad aproveitou a ocasião para voltar a criticar a comunidade internacional.

"Certos meios de comunicação estrangeiros fazem campanha contra este plano. Não querem que o Irã progrida e se transforme em um modelo, em um país sem pobres", disse.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host