UOL Notícias Notícias
 
22/12/2009 - 22h16

EUA: soldados gays devem manter segredo, apesar do fim do tabu

WASHINGTON, 22 dez 2010 (AFP) -Embora tenha sido abolida a lei americana que proibia a militares declarar sua homossexualidade, gays e lésbicas que manifestarem abertamente sua opção sexual terão que esperar vários meses até que as forças estejam prontas para recebê-los.

Em meio às preocupações para manter a coesão das tropas enquanto os Estados Unidos continuam engajados nas guerras do Afeganistão e do Iraque, alguns comandos do Exército americano querer avançar passo a passo para garantir uma transição suave.

O Senado americano pôs fim, no sábado, a 17 anos de uma controversa lei chamada "Don't ask, don't tell" (Não pergunte, não diga), que obrigava os soldados gays e lésbicas a ocultar sua opção sexual sob a ameaça de serem expulsos.

A nova legislação histórica que repele a restrição aos gays declaradamente homossexuais servirem ao Exército foi sancionada nesta quarta-feira pelo presidente americano, Barack Obama.

Após a votação, o secretário de Defesa, Robert Gates, assegurou que o governo trabalharia com "precaução, método, mas com resolução" para aplicar a nova medida, que permitirá aos soldados homossexuais servirem no Exército abertamente.

No entanto, este processo pode se prolongar por vários meses.

O presidente Barack Obama deve, agora, "atestar" por escrito, junto ao secretário de Defesa e o chefe de Estado-maior, almirante Mike Mullen, que a aplicação das novas regras não comprometerá "o nível de preparação das Forças Armadas, sua eficácia, a coesão das unidades e o recrutamento", disse Gates.

Para preparar a integração dos soldados homossexuais às fileiras, o Pentágono previu, segundo informe difundido ao fim do mês de novembro, rever o Código militar.

Os comandantes das unidades lembrarão seus valores como profissionais e os 3.000 capelões militares analisarão as preocupações morais e religiosas.

O tempo de duração desta fase preparatória do Exército ainda não foi especificada. Quando este passo for dado, será preciso esperar ainda 60 dias até que a lei entre em vigor.

Para o almirante Mullen, a transição deve ser feita de forma "responsável e medida".

Gates alertou os soldados homossexuais a continuarem mantendo sua orientação sexual em sigilo até que a nova lei entre em vigor.

De qualquer forma, o Pentágono implantou uma moratória de fato sobre as expulsões dos soldados homossexuais desde o primeiro juízo, em meados de outubro, contra a lei "Don't ask, don't tell", explicou o coronel David Lapan, porta-voz do Pentágono.

Um grupo que atua em favor dos direitos dos homossexuais, o Human Rights Campaign, exigiu em comunicado, no sábado, a Barack Obama e Robert Gates para "se assegurar de que o processo se realize corretamente".

Segundo uma pesquisa feita pelo Pentágono, a "maioria" dos soldados (70%) está preparada para a chegada dos soldados que se declararem abertamente homossexuais no Exército.

Mas, em algumas unidades de combate, principalmente na dos Marines, o resultado da consulta se inverteu: entre 40% e 60% dos entrevistados viram como negativo o fim do tabu gay.

Daí vem o temor do chefe desta força, general John Amos, e de alguns altos cargos e representantes republicanos de que o fim do tabu possa prejudicar a coesão das unidades envolvidas em operações de combate e "provocar a morte" de soldados americanos.

No começo dos anos 1950, o Exército se colocou à frente do resto da sociedade americana, ao integrar minorias raciais em suas fileiras, lembraram os autores do estudo do pentágono e, no entanto, quase todos os soldados se opunham à medida na época.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host