UOL Notícias Notícias
 

15/01/2010 - 19h10

Moradores de Porto Príncipe tentam enterrar seus milhares de mortos

A cada cinco minutos, um veículo chega às portas do cemitério de Porto Príncipe e mais um corpo é depositado na vala comum que as autoridades mandaram cavar nesta sexta-feira, numa vã tentativa de tirar das ruas as centenas de corpos que se decompõem a céu aberto.

"Perdemos a dignidade ante a morte", afirma Mezen Dieu Justi, um ancião que contém a náusea e as lágrimas ao passar diante da sórdida cena.

Três dias depois do tremor que devastou a capital haitiana e deixou dezenas de milhares de mortos, a procissão de veículos em direção ao cemitério é contínua. Esta última visão de seus seres queridos é motivo de mais sofrimento para os haitianos.

"Era meu pai, meu santo pai!", grita uma jovem, antes de desmaiar ante a visão da vala comum.

Uma mulher, como possuída, desce descontrolada para as sepulturas e diz que se sente maelhorentre os mortos, até ser obrigada a subir, obedecendo a ordem de dezenas de pessoas.

"Perdi o juízo. A morte está nos deixando loucos", comenta tristemente o parente de um dos mortos que acabam de chegar.

"Há três dias a minha irmã estava morta em casa. No final a trouxemos para cá. Perdemos a esperança de lhe dar um enterro digno, um caixão, a bênção de um sacerdote", soluça Florence, uma professora de 40 anos.

A morte, apresentada da forma mais crua e desapiedada, inunda irremediavelmente as ruas de Porto Príncipe. Os trabalhos das equipes de resgate estrangeiras são ínfimos comparados à dimensão do desastre.

Há três dias numerosos corpos jazem empilhados nas ruas, decompostos e cobertos de moscas, em meio a um odor insuportável.

Em uma verdadeira corrida contra o relógio, os contingentes estrangeiros se preocupam prioritariamente dos que possam estar vivos sob os escombros.

Algumas máquinas escavadoras estrangeiras retiram cadáveres misturados a escombros e os transportam em caminhões, sem identificá-los, para as valas comuns mais próximas.

Familiares aguardam pacientemente o trabalho das pás mecânicas para ver se reconhecem ou veem aparecer algum de seus seres queridos em meio a ruínas.

"A verdade é que não sabemos o que fazer com os mortos", confessa Joseph Tihaly, haitiano voluntário que coordena a entrega e recolhe corpos abandonados.

Segundo os cálculos deste jovem, uns 5.000 corpos foram enterrados nestas valas nas últimas 24 horas.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    10h10

    0,12
    3,336
    Outras moedas
  • Bovespa

    10h14

    0,34
    60.968,43
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host