UOL Notícias Notícias
 

16/01/2010 - 22h13

Hedi Annabi, diplomata tunisiano muito conhecido na ONU

O chefe da Missão das Nações Unidas no Haiti, o tunisiano Hedi Annabi, morto no terremoto que destruiu Porto Príncipe na terça-feira, era um diplomata de longa data respeitado na ONU, onde dirigiu durante 10 anos operações de manutenção da paz.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, confirmou neste sábado a morte de Hedi Annabi no desabamento da sede da Missão de Estabilização da ONU no Haiti (Minustah), mobilizada no país desde 2004.

O presidente do Haiti, René Preval, havia anunciado a morte de Annabi na quarta-feira, mas as Nações Unidas preferiram encontrar seu corpo antes de confirmá-la.

"Estou profundamente entristecido por ter que confirmar a trágica morte de meu representante especial no Haiti, Hedi Annabi", escreveu Ban Ki-moon em um comunicado no qual acrescentou que o representante adjunto, o brasileiro Carlos Costa e o chefe da Polícia da ONU, Doug Coates, da Polícia Real do Canadá, também morreram.

Annabi, experiente diplomata tunisiano, trabalhava no Haiti desde 1º de setembro de 2007 depois de ter exercido, de 1997 a 2007, a função de subsecretário adjunto da ONU para operações de manutenção da paz.

No momento em que ocorreu o terremoto, Annabi recebia uma delegação da Polícia chinesa no hotel Christopher, um edifício que a Minustah usava como sede.

Com essas três mortes, chegam a 40 as confirmadas entre o pessoal da ONU, com 330 ainda desaparecidos, uma tragédia sem precedentes para a organização.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h09

    1,03
    3,160
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h11

    -1,39
    74.340,09
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host