UOL Notícias Notícias
 

25/01/2010 - 15h54

Montreal: Brasil se compromete a doar 230 milhões de dólares para o Haiti

O Brasil está disposto a dar mais de 230 milhões de dólares em ajuda ao Haiti, mas a reconstrução do país deve ser feita pelo próprio governo haitiano, disse nesta segunda-feira o chanceler Celso Amorim.

"Não temos que perder de vista que o centro de todo o esforço de reconstrução é um governo haitiano com capacidade para governar", disse Amorim em uma coletiva de imprensa em Montreal.

Os "países amigos" do Haiti iniciaram nesta segunda-feira uma conferência na cidade canadense para definir um plano de reconstrução do país caribenho, o mais pobre do continente, devastado por um terremoto no dia 12 de janeiro.

Segundo o chanceler, o total de ajuda prometida pelo Brasil é de cerca de 230 milhões de dólares, incluindo a militar enviada para a missão da ONU, além de 15 milhões de dólares de fundos de emergência.

Amorim, chanceler do país que envia mais soldados para a Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), disse que a estratégia geral de uma reconstrução haitiana deve ser "fazer mais e melhor".

"Não é questão de fazer tudo diferente", insistiu. "São projetos que funcionam a longo prazo como, por exemplo o reflorestamento que o Brasil está desenvolvendo. São planos que levam anos".

O Brasil disse estar disposto a aumentar de 1300 para 2600 seu número de soldados no Haiti, após a recente decisão da ONU de aumentar para 12650 os efetivo da Minustah.

Amorim assinalou estar de acordo com o aumento do número de soldados da missão e disse que por enquanto o número pedido pela ONU é apropriado.

"A Minustah não deve ter uma presença ofensiva como se fosse uma força de ocupação", falou o chanceler.

Além disso, negou que os soldados enviados pelos Estados Unidos após o terremoto tenham criado problemas no território. "Falei muito com os comandantes brasileiros (no Haiti) e nenhum deles se queixou (...). Os Estados Unidos estão ajudando e cada grupo tem seu papel", explicou.

Cuba, Venezuela e Nicarágua acusaram os Estados Unidos de enviarem 20 mil soldados para o Haiti com o objetivo de tirar proveito da situação humanitária no país e aumentar sua presença militar na área.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,22
    3,142
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    0,67
    70.477,63
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host