UOL Notícias Notícias
 

08/02/2010 - 11h26

Ex-presidente argentino Néstor Kirchner se recupera depois da operação

O ex-presidente argentino Néstor Kirchner (2003-2007) registrou uma boa recuperação desde a noite de domingo, quando sofreu uma intervenção cirúrgica de emergência na carótida, informou o médico que o operou, dr. Víctor Caramutti, nesta segunda-feira.

"A recuperação de Kirchner é evidente e, em 48 ou 72 horas, o paciente receberá alta", afirmou o médico ao canal C5N.

Caramutti indicou ainda que a operação foi realizada para evitar um acidente cérebrovascular. "Nós nos adiantamos, tentamos resolver o problema", explicou.

"Kirchner tinha uma placa ulcerada sobre a carótida direita e essa foi a necessidade da intervenção cirúrgica e isso motivou a urgência", disse ainda.

"Ele é muito comedido, muito disciplinado mas, evidentemente, o estresse foi um fator significativo", concluiu.

Kirchner, 59 anos e atualmente deputado e chefe do peronismo, sentiu na manhã de domingo uma falta de sensibilidade no braço e perna esquerdos e, depois de ser examinado por seu médico pessoal, decidiu se submeter à operação numa clínica particular de Buenos Aires.

A equipe médica da presidência anunciou mais que o ex-presidente sofria de "uma patologia na artéria carótida direita que requer um tratamento cirúrgico".

Nestor Kirchner chegou consciente à clínica de Los Arcos acompanhado da mulher. Dezenas de curiosos se reuniram diante do local.

Derrotado nas legislativas de junho na província de Buenos Aires, mas eleito deputado, Kirchner se demitiu do comando do parrtido peronista. No entanto, a demissão foi recusada, e ele continua dirigindo o partido no poder.

Cristina Kirchner deflagrou no início deste ano uma grave crise institucional ao afastar o governador do Banco Central argentino.

Quarta-feira, deputados prestaram uma queixa contra a presidente e seu marido, suspeitados de enriquecimento ilícito por meio de especulações sobre o dólar em plena crise financeira.

No dia anterior, Nestor Kirchner admitira ter comprado dois milhões de dólares em 2008, no início da crise financeira, alegando ter usado o dinheiro para comprar um hotel de luxo em El Calafate (sul).

A polêmica foi criada quando o ex-presidente do Banco Central, Martin Redrado, ameaçou divulgar uma lista de "pessoas no poder que compraram dólares".

Em dezembro, o casal Kirchner foi absolvido pela justiça de outra acusação de enriquecimentro ilícito, depois de ter declarado um patrimônio de 12 milhões de dólares em 2008, contra 4,6 milhões no anterior. A diferença se deve à venda de imóveis na província de Santa Cruz.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h19

    1,05
    3,179
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h28

    -0,99
    67.913,10
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host